Saúde

Ansiedade e adolescência: o que pensar sobre isso?

A diferença entre ansiedade e medo

A ansiedade é inerente ao homem, já o medo é periférico e circunstancial, específico de alguma situação.

A Ansiedade e a liberdade estão entrelaçadas, pois implicam em liberdade de escolhas, de mudanças, de tomadas de decisões.

A ansiedade na adolescência

É muito comum observar esta liberdade de escolhas em jovens adolescentes, que precisam decidir qual o melhor curso, que carreira seguir, se acatam ou não os conselhos de amigos e familiares, dúvidas, enfim, este é o momento em que eles se questionam sobre esta fase da vida.

Toda mudança gera ansiedade, e não tomar decisões, não ter autonomia, é caminhar para uma vida vazia de sentido, a qual pode gerar sofrimento, por não levar a obter desafios, mas caminhar para tornar-se o não-ser.

Todo ganho implica uma perda

Na verdade, cada vez que escolhemos alguma coisa importante, cada vez que temos um ganho, escolhemos também uma perda. E é preciso perder algo para arriscar obter novos desafios, ou então fica-se paralisado, fica-se na mesmice.

Existe a ansiedade patológica – onde o sujeito não consegue se mobilizar; por exemplo, pode ficar tão deprimido que não consegue levantar-se da cama pela manhã e resolver suas tarefas diárias.

Tem aquela pessoa tão ansiosa que chega agir de forma impulsiva, acarretando prejuízos em seus relacionamentos diversos, como no trabalho, por exemplo; e tem também o perfil ansioso de sentir mal físico, como palpitações, dores de cabeça, problemas gastrointestinais, dentre outros.

É comum observarmos isto em jovens que estão estudando e trabalhando ao mesmo tempo, pois estão levando um ritmo de vida mais intenso e às vezes podem se sentir cobrados e pressionados.

A psicoterapia com práticas de relaxamento, técnicas de respiração ou até mesmo atividade física auxiliam muito nesses casos, juntamente com uma alimentação saudável, sono adequado, favorecem em uma maior qualidade de vida, e quando for necessário, pode-se encaminhar também ao psiquiatra.

Depressão e ansiedade na adolescência

Em adolescentes, a depressão pode estar relacionada a comportamentos antissociais e na presença de mentiras, pequenos furtos, violência, ruminação, comportamentos de automutilação, drogadição, por exemplo.

Nos atendimentos clínicos junto a pessoas com queixas depressivas é possível detectar um padrão de déficits nas habilidades sociais e diversos problemas no âmbito interpessoal, tanto em jovens como em adultos.

O transtorno depressivo do ponto de vista médico apresenta uma configuração em que são destacadas tais características:

  • Alterações de sono,
  • Fadiga,
  • Perda de apetite ou ganho de peso,
  • Dores crônicas.

Na parte cognitiva e emocional, entra a autoestima rebaixada e dificuldades na parte de memória e concentração, assim como tristeza persistente e perda de sentido das atividades antes consideradas prazerosas.

Estejamos atentos aos comportamentos dos adolescentes

É preciso que os pais ou os responsáveis sempre estejam atentos aos comportamentos dos adolescentes, que não sejam negligentes aos cuidados e procurem ajuda, quando necessário, de profissionais da saúde mental, como psicólogos e, dependendo do caso, do psiquiatra.

Os pais precisam receber apoio e orientações, e às vezes, buscar a própria terapia para equilíbrio do contexto familiar.

A intervenção do terapeuta existencial

Uma das melhores intervenções a serem feitas é escutar o cliente que sofre e se angustia. Pedir naquele momento para que ele seja otimista é ineficaz, mas escutá-lo com atenção, a fim de mobilizá-lo, é o primeiro passo assertivo da terapia existencial.

É importante que o terapeuta estabeleça um acordo com seu cliente, um bom vínculo de confiança, e que não reforce nenhum comportamento de vitimização, porque não favorece nos casos depressivos.

O terapeuta interligado à experiência, com qualidade de presença nos atendimentos psicológicos, jamais poderá desmerecer os efeitos que a medicação poderá proporcionar na parte emocional, cognitiva e biológica do cliente.

Ainda, o psicólogo será um mediador fundamental da experiência do cliente quanto ao uso dessas medicações.

Christiane Tardele Lacerda

Olá seja bem vindo (a) ao meu perfil! Sou Christiane Tardele, psicóloga clínica, tenho experiência com saúde mental, atendimentos com clientes que apresentam quadros depressivos, ansiosos, que estão passando por períodos de luto, enfrentamento de enfermidades. Atendo adolescentes, adultos e idosos que buscam um auxílio para seus conflitos existenciais, no contexto familiar, afetivo ou até mesmo no âmbito organizacional. Trabalho com a ética do sigilo e dentro da abordagem fenomenológica, a qual procura compreender o ser na sua relação com o outro no aqui agora. É uma psicoterapia que impulsiona o ser humano a sair do comodismo e ir atrás do que é desconhecido. Através da terapia o indivíduo busca possibilidades em sua trajetória, ele passa a ser ativo em seu processo e assume responsabilidades perante suas escolhas. Ser psicóloga é uma constante descoberta de si mesma e do outro, não é um lugar que chegamos, mas um caminho pelo qual procuramos seguir. É poder visitar universos diferentes, é também presenciar circunstâncias inimagináveis e contemplar sorrisos depois de lágrimas. " O quê esperamos nós quando desesperados, e mesmo assim procuramos alguém? Esperamos certamente que exista um sentido."
Christiane Tardele Lacerda

Últimos posts por Christiane Tardele Lacerda (exibir todos)

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar