Saúde

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): O que é, causas e sintomas?

Saiba quais são os sintomas e tratamentos.

O questionário não deve ser considerado como um diagnóstico, apenas como uma orientação dos níveis dos sinais. Nesse caso, sempre é recomendado consultar um profissional capacitado para uma avaliação completa.

Nunca se falou tanto em ansiedade. Com o ritmo cada vez mais frenético das nossas vidas, a saúde emocional vai ficando de lado e as dificuldades aumentam. Assim, os casos de transtorno de ansiedade generalizada têm se tornado mais frequentes.

Dentro do quadro da ansiedade há alguns subtipos. Entre eles está o que tratamos neste post. Você quer entender mais sobre esse transtorno e seus sintomas? Acompanhe as informações que trouxemos. Boa leitura!

O que é o transtorno de ansiedade generalizada?

Inicialmente, precisamos esclarecer que o sentimento de ansiedade, ou seja, a antecipação de ameaças futuras, não é sempre negativo. Na verdade, em um grau moderado ele é bastante útil nas nossas vidas. Entretanto, quando se torna excessivo pode gerar grandes problemas.

É o que acontece quando alguém desenvolve um transtorno de ansiedade. A pessoa enfrenta sensações de tensão e medo frequentes, desproporcionais às situações vividas. No caso da ansiedade generalizada não há a identificação de estímulos específicos ou seja, as crises acontecem em ocasiões muito diversas.

O que pode causar esse problema?

Não é possível encontrar uma razão única por trás da ansiedade generalizada. Para entender o problema é preciso conhecer a história de vida da pessoa e analisar diversos aspectos. Por isso, o atendimento psicológico é essencial na compreensão e tratamento do problema.

Sabe-se que fatores genéticos podem influenciar no desenvolvimento da ansiedade. Além deles, situações traumáticas do passado, ou a vivência de problemas no presente, estão entre os motivos mais comuns para desencadear o transtorno.

Alguns contextos mais críticos têm relação direta com o aumento de casos de ansiedade. Profissionais como policiais e professores, por exemplo, podem desenvolver o problema devido à maior exposição ao estresse.

Além disso, moradores de países violentos, pessoas em situação de instabilidade financeira e mulheres em relações abusivas têm maior risco de desenvolver ansiedade.

Pacientes enfrentando doenças crônicas, como pessoas cardíacas ou diabéticas, também podem ter o seu emocional abalado pela perda da saúde física.

Quais são os sintomas?

Depois de saber que nem todo sentimento de ansiedade é ruim, é importante aprender a identificar um possível transtorno. Como perceber se o que você tem são sensações comuns à vida ou se você está sofrendo de ansiedade generalizada?

Um dos primeiros sinais é a preocupação excessiva. A pessoa ansiosa superdimensiona uma situação. Preocupar-se a ponto de ficar paralisada diante de um desafio é um sintoma do transtorno. Caso esse sentimento impeça você de realizar suas atividades cotidianas, investigue.

Outro indicativo de ansiedade generalizada é sentir medo de tudo. Esse sentimento impede a pessoa de relaxar, mesmo diante de situações nas quais outras pessoas estão bem.

O ansioso vê um grande perigo onde não há, porque tem dificuldade de analisar a realidade de forma racional.

Sintomas físicos também fazem parte do transtorno de ansiedade generalizada. Além de estar com as emoções à flor da pele, a pessoa pode sentir: dificuldade para dormir, cansaço excessivo, estresse, tensão muscular, dores de cabeça, taquicardia, tontura, náuseas e falta de ar.

Na presença de um ou mais sintomas é muito importante procurar ajuda. Quanto mais cedo você iniciar um tratamento, mais rápido e efetivo ele será. Tratar a ansiedade generalizada é fundamental para ter qualidade de vida e se sentir bem!

É importante lembrar que o resultado do questionário não é uma avaliação psicológica. Assim, apenas por esse resultado, não é possível diagnosticar um quadro de ansiedade e depressão.

Para determinar qualquer diagnóstico potencial, discuta seu resultado com um psicólogo.

_______________________

Referências:

Castillo, Ana Regina GL, et al. “Transtornos de ansiedade.” Brazilian Journal of Psychiatry 22 (2000): 20-23.

CURY, AUGUSTO JORGE. Ansiedade: como enfrentar o mal do século. Saraiva Educação SA, 2017.

Kinrys, Gustavo, and Lisa E. Wygant. “Transtornos de ansiedade em mulheres: gênero influencia o tratamento?.” Revista Brasileira de Psiquiatria (2005).

Psicologia Viva
Etiquetas

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar