Desenvolvimento pessoal

Pare de atrapalhar sua própria vida

Você já parou para pensar no quanto você mesmo tem atrapalhado a sua vida? A autossabotagem é um mecanismo psíquico ativado quando estamos desconfortáveis com os riscos e responsabilidades de fazermos algo importante em nossas vidas. Podemos sabotar nossa carreira, nossa saúde e nossos relacionamentos.

Sabotar-se é um processo em que dificultamos ou impedimos a realização de uma tarefa que é importante para nós de forma que acabamos por nos prejudicar em função dessa atitude. Quando nos sabotamos, deixamos de aproveitar todo o potencial positivo das nossas vidas.

Confira abaixo 5 sinais de que você está se sabotando:

1. Você não comemora as suas próprias conquistas

Não reconhecer suas próprias conquistas pode ser um sinal de autossabotagem. Depois de se esforçar para conseguir alguma coisa, é comum que a pessoa se sabote negando as próprias conquistas e qualquer fonte de reconhecimento do avanço ocorrido.

O desconforto de receber um elogio pode estar associado ao ciclo de autossabotagem. Esse processo de negação revela uma incompatibilidade entre o que de fato acontece e a interpretação que fazemos daquele fato. Negar nossas pequenas vitórias nos impede de comemorá-las. Se não comemoramos, não nos revitalizamos e aumentamos nossas chances de desistir do que realmente queremos por estarmos cansados e desanimados.

2. Por ter dificuldade para dizer “não”, você se afasta de que(m) realmente importa

Pode parecer que essa é apenas uma dificuldade de comunicação, mas a autossabotagem também se manifesta através das constantes tentativas de agradar aos outros.

Quando procuramos pela aceitação e pelo reconhecimento dos outros, começamos a priorizar tudo aquilo que evitará o conflito e agradará ao outro. Esse esforço de agradar dificulta a gestão das nossas tarefas rotineiras, pois deixamos de priorizar aquilo que realmente importa.

A partir daí, pode surgir um ciclo em que a pessoa diz ‘sim’ de forma vazia, abrindo mão departe dos seus sonhos.           

3. Você tenta controlar tudo 

Nesse caso, a autossabotagem se manifesta através do excesso de controle que gera cansaço, desgaste e frustração.

Afinal, tentar controlar tudo o tempo todo faz com que você se sinta insuficiente e incapaz, já que isso é impossível. Frequentemente, há um pessimismo exagerado e a pessoa foca em tudo que pode sair errado ou fora dos padrões previstos. No início, o excesso de controle pode parecer produtivo. No entanto, ele costuma desgastar as relações interpessoais ao longo do tempo e vai reduzindo sua inspiração para inovar.

4. Você não acredita quando pessoas queridas lhe dizem que você precisa de ajuda

Uma parte importante do comportamento sabotador envolve ignorar os alertas e os conselhos de pessoas queridas e de confiança. Ouvir e depois esquecer ou menosprezar a ajuda oferecida faz com que você continue na situação ruim em que se encontra. Muitas vezes, estamos tão envolvidos com os problemas que não percebemos o quanto estamos nos afundando em determinada situação por não aceitarmos ajuda.

5. Você pensa demais

Ao longo do dia, você se sente inseguro para tomar decisões cotidianas. Você revisa constantemente tudo o que faz. O sabotador pode ter o perfil de refletir muito sobre o que pretende fazer. No entanto, essa reflexão não é das mais saudáveis, pois gera paralisia e autocrítica severa. Tome cuidado com seus pensamentos. Seja mais gentil e compreensivo(a) com você mesmo(a).

Como virar o jogo e quebrar com o ciclo da autossabotagem?

Lembre-se da frase célebre de Sartre: “O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós”. Afinal, sempre podemos escolher como reagir diante do nosso contexto de vida. Agora confira 5 dicas práticas de como superar a autossabotagem:

1. Tenha objetivos claros

Saber exatamente qual é a nossa meta, como queremos atingi-la e em quanto tempo é fundamental para que possamos nos manter focados no nosso objetivo. É importante que nossas atividades diárias estejam relacionadas àquilo que desejamos profundamente. A autossabotagem sempre pode surgir quando tentamos nos forçar a fazer algo que não é o que desejamos de fato.

Quando estamos lutando pelos nossos sonhos, fica muito mais fácil mantermos nossa persistência.

2. Avalie seus comportamentos

Refletir sobre seu próprio comportamento pode fazer com que você desenvolva uma percepção mais exata e justa de você mesmo. Assim, você constróis o autoconhecimento necessário para tomar decisões de forma madura e ponderada. Ao se dar conta de qual comportamento está te prejudicando, você consegue manter seu foco em mudar o que for mais urgente.

3. Acolha os imprevistos e as mudanças

A vida nos exige paciência e resiliência diante das adversidades. Quando compreendemos que as dificuldades fazem parte do caminho de todas as pessoas, passamos a reagir de uma maneira mais otimista e adequada. Quando pensamos em desistir dos nossos sonhos, abrimos espaço para que surjam comportamentos de autossabotagem.

Portanto, se você não quer ter que ficar recomeçando a sua luta, pare de desistir. Rompa esse ciclo da autossabotagem com firmeza e convicção.

4. Busque inspiração

Você conhece alguém que já conseguiu o que você deseja? Você já conversou com essa pessoa? Se ela é uma pessoa famosa, você já leu sobre detalhes de sua trajetória? Assistiu a algum documentário ou filme inspirador? Quando vemos que alguém já percorreu o caminho que escolhemos para nós, a nossa jornada fica mais leve. Afinal, sabemos que, de alguma forma, é viável fazer o que desejamos. Além disso, ter uma fonte de inspiração também pode ser útil para fornecer conselhos e dicas de como seguir por aquele caminho.

5. Permita-se ter ajuda profissional

Ter o apoio de um(a) psicólogo(a) pode fazer toda a diferença. Além de você ter orientação profissional, você consegue desenvolver novas habilidades para que o seu caminho seja mais leve e feliz. Ter alguém com uma visão de fora da situação permite que você chegue a novas ideias e conclusões por ter com quem conversar de forma segura e sigilosa.

Por fim, cabe ressaltar que a autossabotagem pode fazer parte de um contexto de adoecimento psicológico. Nesses casos, a avaliação psicológica é fundamental para que seja dado o devido encaminhamento. Comece com um pequeno passo na direção correta e aproveite todas as formas de auxílio que estiverem ao seu alcance.

Gabriela Ballardin Geara
Últimos posts por Gabriela Ballardin Geara (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar