Como lidar com o pensamento diferente a partir da psicologia

Por natureza, aprendemos a trilhar os nossos próprios caminhos e fazer nossas próprias escolhas. Também por natureza nos mantemos em caminhos que asseguram o mínimo de segurança.

O pensamento exige que disponibilizemos habilidades e recursos para o enfrentamento de situações novas, e isso muitas vezes se constitui um desafio.

Romper com a impossibilidade é se lançar ao desconhecido lugar oposto às trilhas confortáveis que conhecemos e por onde já passamos, mas que nos mantém em comodidade, em uma cena familiar.

Por isto mesmo o desconforto: lidar com o diferente exige uma complexa articulação cognitiva.

Neste texto gostaria de propor duas perspectivas sobre o pensamento diferente, além de propor como lidar com o pensamento diferente a partir da psicologia.

O pensamento diferente (do outro)

A comunicação tem um valor cultural muito importante para nossa espécie. Lidar com pensamentos que divergem dos nossos pode ser uma tarefa mais ou menos difícil, tendo em vista a clareza de um diálogo, por exemplo. “Eu sinto que estou sendo ouvida? Estou comunicando o que quero? Tenho respeitado e ouvido as necessidades do outro?”.

O pensamento interior

Em nossas comunicações internas também podemos passar pela via da gentileza. Em oposição a criticar, acolher: nesta via é importante treinar o olhar com auto compaixão, à medida em que observamos pensamentos que podem nos impulsionar. “Minhas ideias são importantes.Tenho comemorado meus pequenos passos? Estou validando aquilo que sinto?”.

Isto possibilita que desenvolvamos habilidades de enfrentamento, o que nos aproxima de uma relação autêntica e genuína com nós mesmos, uma relação em que compreendemos, acolhemos e expressamos nossas necessidades.

Pensar em perspectiva – “e se eu tentar?”

Observar o pensamento nos conduz o olhar em perspectiva a encontrar nuances entre pensamentos “tudo ou nada”, “ou isto ou aquilo”, “uma coisa ou outra”.

Uma série de recursos podem por luz no desenvolvimento comunicacional. A Comunicação Não Violenta(CNV), por exemplo, propõe o exercício de construção de uma comunicação assertiva, ativa e não julgadora, privilegiando o espaço comunicacional e o desenvolvimento interpessoal.

Quanto ao pensamento interior, algumas abordagens da Psicologia propõem práticas que auxiliam no desenvolvimento de habilidades de observação do pensamento, tolerância ao mal-estar e regulação emocional.

Enquanto pestanejava sobre o que escrever neste texto, me lembrei de uma passagem que dizia – mais ou menos – o seguinte: uma fotografia não é feita apenas com uma câmera, mas com toda a bagagem de vida daquele que tirou a foto.

Naturalmente nenhuma foto pode ser exatamente igual à outra (cada foto conta uma história, todas tem seu valor).

Se cuida!

Com carinho,

Bruno Oliveira Mazoti

(Psicólogo-CRP 04/63080)

Bruno Oliveira Mazoti
Últimos posts por Bruno Oliveira Mazoti (exibir todos)

Deixe seu comentário aqui

Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar