Saúde

Depressão e seus sintomas: entenda os tipos e como melhorar da doença

Estima-se que pelo menos 12% da população adulta, em qualquer fase da vida, tem algum episódio de depressão, relativamente grave, que mereça tratamento. Pesquisas realizadas nos EUA indicam que 75% das hospitalizações psiquiátricas têm quadros de depressão hoje.

Estudos ainda mostram que a depressão é a principal causa de pagamento de auxílio-doença não ligado a acidentes para os colaboradores. São mais de 300 milhões de pessoas sofrendo do mal; mais de 300 milhões de pessoas que estão em momento de fragilidade, improdutividade e infelicidade no trabalho. Isso traduz na perda de U$1 trilhão/ano para a economia global. No Brasil, a depressão tira da economia R$210 bilhões por ano.

Mas situações extremamente adversas na vida não produzem, necessariamente, uma depressão. Nesses casos, o indivíduo “normal” ainda mantém o interesse e consegue avaliar mais realisticamente os aspectos de sua vida e agir na resolução do problema.

Contudo, nessas mesmas situações, o pensamento da pessoa inclinada à depressão se torna mais limitado. Começam a aparecer ideias negativas em relação aos aspectos da sua vida, já que ela não tem meios próprios para lidar com isso.

Depressão graves e brandas

Em depressões mais brandas o paciente geralmente é capaz de perceber seus pensamentos negativos com certa objetividade. Com o agravamento da depressão o pensamento começa a ficar mais dominado por essas ideias negativas, mesmo que não haja relação com as situações reais e essas interpretações negativistas.

Nessa situação o indivíduo fica bastante tomado por esses pensamentos e ele não consegue concentrar-se em estímulos externos, como ler, por exemplo, ou envolver-se em atividades mentais voluntárias (solucionamento de problemas).

Se você tem depressão, evite o isolamento. Procure ajuda!

Em casos mais graves, o indivíduo passa a se sentir incapaz de realizar as mais simples atividades (até as atividades que ele anteriormente adorava fazer). Ao observar sinais de depressão as pessoas próximas ao deprimido, incomodadas com a situação, dão sugestões pessoais como viagens, encontros esportes, etc. na tentativa de arrancá-lo desse estado. Entretanto, é comprovado que pessoas que estão com depressão precisam de acompanhamento médico!

A visão distorcida do depressivo

O depressivo, em geral, tem uma visão negativa de si, do mundo externo e do futuro. Ele se percebe inadequado, carente… chega a pensar que não possui atributos necessários à obtenção da felicidade.

Outra característica que se verifica é o fato do deprimido acreditar que o mundo lhe faz demandas absurdas. Ele acredita, ainda, que a vida coloca obstáculos intransponíveis para o atingimento de seus objetivos, se vitimizando.

A pessoa neste estado tem uma visão negativista do futuro e, em suas projeções, só vê dificuldades e acredita que o sofrimento presente se prolongará indefinidamente. Esse tipo de pensamento causa muita desesperança na pessoa que está sofrendo.

O deprimido em geral sofre de paralisia da vontade como resultado do pessimismo e da situação de desamparo em que se sente. A pessoa passa a apresentar apatia e baixa energia em razão da crença de estar condenado ao fracasso, em todos os seus esforços.

Depressão tem cura?

Se partirmos do princípio de que a grande fonte da depressão é um conjunto de pensamentos negativos, persistentes, podemos dizer que a correção e suavização desse esquema tenderá a aliviar bastante o quadro depressivo.

A psicoterapia tem se mostrado eficaz no tratamento da depressão, sendo necessário algumas vezes a conjugação com o uso de drogas antidepressivas. Os psiquiatras frequentemente indicam esse procedimento, mas, muitas vezes, o paciente apresenta fortes resistências ao trabalho psicoterápico.

O psicoterapeuta e o cliente trabalham juntos no sentido de identificar essas questões distorcidas, que muitas vezes são resultados de questões disfuncionais.

A partir da psicoterapia o deprimido passa a desenvolver seus próprios mecanismos de enfrentamento para lidar com a depressão. O paciente aprende a realinhar seu pensamento com a realidade e a dominar as situações de vida e os problemas que antes considerava insuperáveis.

Você pode reencontrar a felicidade e bem-estar!

Espera-se que os pacientes que se submetem ao trabalho psicoterápico aprendam a lidar mais eficazmente com suas possíveis depressões posteriores, abortar depressões incipientes e, bem possivelmente, tornar-se capaz de prevenir novos processos depressivos.

Com os tratamentos atuais você pode passar a ter episódios menos graves e menos duradouros, até eliminá-los de uma vez por todas. Muitas pessoas vivem hoje sem nenhum sintoma de depressão, mesmo tendo sido diagnosticadas anteriormente.

E você, tem alguma experiência com a depressão? Conhece alguém que sofra do mal? Deixe nos comentários a sua história, e vamos conversar! 🙂

Tania Marcia Lima Leao

Sou Psicóloga Clínica, formada em 2008 e atuando desde jan/2009. Meu trabalho se baseia na Psicanálise Freudiana e atuo, principalmente, com os males da contemporaneidade, como depressão, ansiedade, sindrome do pânico, angústias, questões ligadas à auto-estima, afetividade. Atendo, presencialmente, em outro endereço em São Paulo, no bairro de Perdizes. A Psicanálise é um método desenvolvido por Sigmund Freud e que é uma forma de investigação do psiquismo, especialmente do inconsciente, e seu funcionamento. Neste método o analista, um profissional preparado para isso, busca evidenciar o significado inconsciente das palavras, ações e processos mentais do sujeito. A interpretação desses fenômenos, leva o paciente a identificar as origens de seu problema, o que pode ser o primeiro passo para a cura. A Psicanálise se utiliza, principalmente, das associações livres, processo que consiste em se falar tudo o que vier à mente.
Tania Marcia Lima Leao

Últimos posts por Tania Marcia Lima Leao (exibir todos)

Etiquetas

Artigos relacionados

4 Comentários

  1. Minha depressão vem da infância,desde as brigas dos meus pais,e com minha irmã mas velha que até hoje está viciada nas drogas, até chegar em mim que mim relacionei muito nova e passei e estou passando a mesma coisas que minha mãe passou com brigas,e problema com brigas de pai e filha mais velha,nas minhas brigas com ele melhorou muito,já com a filha mas velha e o pai continua muitas discurssões!

  2. Sim!!!!sou diagnosticada com depressão e ansiedade,, meu corpo responde muito a esta doença sinto muita dor no peito e uma sensação que estou morrendo a todo momento já fiz muitos exames mais não dá nada!!!! Tomava medicação controlada mais tirei por mim mesma hoje sinto como se não fosse está viva pra o amanhã e horrível

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar