Sexologia

Conheça as principais causas de falta de interesse sexual na mulher

Primeiro diminui o desejo. Em seguida, vem a culpa: “por que eu não tenho vontade de transar?”

Você se identificou? Relaxe! Você não está sozinha. Vamos te ajudar a entender melhor o que acontece.

A disfunção sexual na mulher acontece quando uma questão de cunho sexual acarreta sofrimento pessoal. O fator importante aqui é se isso causa sofrimento. Caso não haja incômodo com a situação, não existe problema a ser resolvido. A disfunção pode aparecer de várias formas, incluindo:

  • Diminuição do desejo sexual,
  • Alteração da excitação,
  • Ausência de fantasias sexuais,
  • Dificuldade de atingir o orgasmo ou dor durante o ato sexual.

A complexidade do problema 

Hormônios e neurotransmissores executando suas funções de forma equilibrada, bem-estar psicológico e profissional e sintonia com o parceiro são apenas alguns dos fatores que cercam a libido feminina.

Para a maioria das mulheres os fatores emocionais têm maior peso que os biológicos; influência cultural e da educação também então diretamente ligadas à libido, pois enquanto o homem é estimulado desde cedo a ter interesse por sexo e a se identificar como um ser sexuado, a mulher é educada a adiar sua iniciação sexual e a reprimir sua libido, muitas vezes vista pela religião como pecado.

Causas orgânicas 

  • Desequilíbrio hormonal,
  • Diabetes,
  • Problemas cardíacos,
  • Doenças neurológicas,
  • Alcoolismo,
  • Algumas medicações,
  • A fase do ciclo menstrual ou o uso de drogas.

São algumas das condições que podem culminar na redução do desejo sexual da mulher.

A menopausa se encontra fortemente ligada à disfunção sexual feminina. Neste período, que sinaliza o fim do período fértil da mulher, os ovários fabricam menos hormonas, diminuindo a produção de testosterona que, embora seja um hormônio masculino, também compõe os hormônios existentes no corpo da mulher e está relacionado com a libido feminina.

A biologia explica todas essas causa do corpo animal porém, nos seres humanos, há mais variantes nesse processo natural, já que os aspectos psíquicos podem prevalecer sobre os físicos. Isso quer dizer que, mesmo que os hormônios estejam em alta, a mulher pode não sentir vontade de fazer sexo; neste caso, os fatores psicológicos explicam a situação.

Causas psicológicas

  1. Aceitação do corpo. Muitas mulheres têm insatisfações com o próprio corpo porque não está dentro dos padrões de beleza estabelecidos pela sociedade. Assim, vem a preocupação com a opinião do parceiro e o desejo vai embora.
  2. Timidez e religião. O modo como a mulher foi educada, os valores e princípios da família podem atrapalhar sua sexualidade, depende de como o sexo foi apresentado para ela.
  3. Conflito conjugal. Discussões constantes, decepções e falta de respeito entre o casal são os motivos mais frequentes para a baixa da libido.
  4. Rotina no sexo. Ter relação sexual sempre do mesmo jeito, com dia marcado, sem surpresas e emoções novas pode tornar o sexo morno e pouco interessante.
  5. Falta de conhecimento do próprio corpo. Quem não se conhece, não sabe pedir o que gosta. Alguns parceiros também não têm tanta sensibilidade para descobrir sozinho, então se ajude!
  6. Estresse do dia a dia. Com trabalho, desemprego, trânsito, tarefas domésticas e filhos, muitas vezes falta tempo (e disposição) para cuidar de si mesma, auto-observar-se, prestar atenção no corpo e nos desejos.

Tratamentos

As mulheres geralmente  demoram anos para tentar resolver o problema, enquanto homens são mais rápidos, já que é muito difícil ter uma ereção sem libido.

Primeiro passo é descobrir as causas da falta de desejo. Se a causa for uma doença física é necessário fazer tratamento com um profissional da medicina. Se for alguma questão emocional ou a influência de fatores externos, sessões com um especialista da saúde mental vão te ajudar.

Existe medicamento para aumentar a libido feminino?

Uma das alternativas medicamentosas é o flibanserin, droga criada pelo laboratório alemão Boehringer Ingelhein. Segundo pesquisas recentes, ela modula a disponibilidade de serotonina no corpo, que é o hormônio conhecido como “hormônio da felicidade”. Essa regulação do neurotransmissor, encarregado de promover bem-estar, causa um aumento de dopamina, substância essencial para instigar o interesse em transar.

Diferentemente das pílulas masculinas que fazem efeito quase na mesma hora, o flibanserin levaria de seis a oito semanas para produzir efeitos. O medicamento  começou a ser estudado pelos cientistas alemães nos anos 1990 com a esperança de ser um antidepressivo para fazer face à fluoxetina e similares. E surpreendentemente, o flibanserin levou as mulheres a ter mais prazer e satisfação sexual .

Curiosidades sobre a libido

Mulheres chegam no auge sexual mais tarde que os homens.

A libido varia de acordo com cada pessoa, mas há evidências suficientes para assegurar que, no geral, as mulheres chegam no seu ápice sexual aos 32 anos, enquanto os homens, aos 18 anos. A causa disso seriam os suspeitos de sempre: os hormônios.

Não existem comidas afrodisíacas.

Não há nenhuma comprovante científico de que qualquer alimento tenha alguma relação com o aumento do apetite sexual. No entanto, é inegável que um delicioso jantar só tem a ajudar um casal que precisa relaxar.

Apesar de nenhuma comida ter o poder de despertar o desejo subitamente, uma boa circulação sanguínea ajuda a aumentar a libido.

Por isso, é valido investir em uma dieta composta por  alimentos rico em antioxidantes, como salmão, morangos, aspargos, feijões e legumes.

Consuma no máximo dois drinques.

O excesso de álcool pode ser um grande inimigo da libido, já que a bebida deprime o sistema nervoso. Entretanto, se a ansiedade anda prejudicando a sua vida sexual, pequenas doses de álcool — não muito — podem ajudar a relaxar.

Gravidez aumenta o apetite sexual.

Isso acontece na grande maioria das mulheres graças ao aumento dos níveis de hormônio no sangue. Além disso, no lado psicológico, não há mais, logicamente, aquele medo de engravidar, o que ajuda a mulher a ficar mais relaxada.

Quanto mais testosterona, maior a libido.

Normalmente associada aos homens, a testosterona tem um grande efeito no apetite sexual da mulher. O hormônio costuma ser mais presente nas mulheres com idades mais jovens, e a diminuição da libido na menopausa estaria relacionada com a queda dos níveis do hormônio.

Como vimos, a falta de libido pode ter uma complexidade de causas e um emaranhamento entre elas. O melhor é investigar, fazer uma análise pessoal para assim descobrir as causas e se cuidar. Uma pessoa só consegue se dar bem num relacionamento amoroso quando se dá bem consigo mesma.

Rayane Silva
Últimos posts por Rayane Silva (exibir todos)
Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar