Família

Quando a gravidez não acontece.

Quando um casal se une, há inúmeras expectativas que são geradas pelas duas partes e a construção dos novos papeis sociais se inicia! Dentro dessas expectativas está uma delicada esperança: o nascimento do primeiro filho!
A família é um sistema e culturalmente vivencia ciclos. As mudanças dos ciclos podem ser imprevistas ou previstas. As mudanças imprevistas são acidente, divórcio, enfermidade crônica, entre outros. As mudanças previstas são as associadas aos ritos culturais, casamento, nascimento dos filhos, aposentadoria entre outras.

Na nossa sociedade as mudanças previstas são extremamente valorizadas, estabelecendo-se inclusive um senso de “normalidade” no decorrer das mudanças previsíveis.
Assim, o nascimento do primeiro filho é uma expectativa gerada pelo casal, e por todos que o cercam.
Porém, quando ocorrem problemas de infertilidade e a gravidez não acontece “naturalmente” e a mudança de ciclo não ocorre, o casal vivencia inúmeros sentimentos conflituosos e são muito cobrados pela sociedade. Desta forma, o auxílio de um acompanhamento de orientação psicológica pode ser a chave do sucesso para o casal lidar com estas emoções evitando o adoecimento emocional.

Porque a gravidez não acontece?

Muitos casais acabam adiando a decisão de procurar o profissional médico especializado na área de diagnóstico de infertilidade e acabam prejudicando as chances de sucesso posteriormente.

Procure ajuda de um Psicólogo

O psicólogo com experiência na área de infertilidade pode auxiliar o casal a buscar estratégias de enfrentamento da situação, aumentando as chances das tentativas de engravidar serem positivas, além de diminuir níveis de ansiedade e estresse relacionado ao tratamento.

Diálogo do casal

Não culpe seu(sua) parceiro(a)! Quando alguém se submete ao tratamento de infertilidade é comum procurar justificativas, que muitas vezes só prejudicam. Estar em uma relação conjugal em que há espaço para diálogo e compreensão é imprescindível!

Se você quiser ler mais dicas para manter um relacionamento saudável com você mesmo(a) e com seu ou sua parceira leia também o nosso post sobre carência afetiva.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar