Desenvolvimento pessoal

Psicologia, sexualidade e gênero: identidade de gênero e orientação sexual são a mesma coisa?

Existem ainda muitas dúvidas e confusão entre a diversidade das identidades de gênero e orientações sexuais.

Embora o número de pesquisas e conteúdos informativos venha aumentando exponencialmente nos últimos anos, boa parte da população continua desinformada e confusa acerca desses temas. Essa desinformação também acarreta em considerações e apontamentos preconceituosos e opressivos contra a diversidade da população LGBTTI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Travestis, Intersexuais e mais as outras identidades de gênero e orientações sexuais).

É importante lembrar que essa comunidade não padece de nenhum tipo de transtorno ou doença por ser quem são, com relação a sua identidade de gênero ou orientação sexual. Ser uma pessoa trans ou travesti, ou ainda ser gay ou lésbica, é uma potência da existência humana, uma possibilidade de vida, assim como é ser cisgênero ou heterossexual.

Mas, você sabe o que significa identidade de gênero e o que é orientação sexual? 

Identidade de gênero

A identidade de gênero diz respeito a como a pessoa se sente e se percebe em relação ao seu gênero. É um sentimento e um sentido profundo sobre si mesmo. Sua identidade de gênero pode ser feminina, masculina, trans, travesti ou ainda pode ser designada como mulher, homem, mulher trans, travesti, homem trans, não-binário, entre outras possibilidades.

Alguns dos termos que procuram caracterizar identidades diversas de gênero são: “cisgênero” e “transgênero”. 

A pessoa cisgênera é aquela que, ao longo de sua vida, identifica-se com o gênero que lhe foi atribuído ao nascimento. Ou seja, se quando nasceu uma pessoa foi atribuída com o gênero feminino/mulher pelos outros e continuou se identificando profundamente com esse gênero, é assim uma pessoa cisgênera. Nesse caso, mulher cis. 

Já a pessoa transgênera é aquela que, ao longo de sua vida, identifica-se com um gênero diferente daquele que lhe foi atribuído ao nascimento. Por exemplo, quando a pessoa nasceu lhe foi atribuído o gênero masculino/homem, mas esse gênero não faz parte de sua identificação profunda ao longo de sua vida. Nesse caso, a pessoa trans pode se identificar, por exemplo, como feminina/mulher, entre outras possibilidades.

Ser uma pessoa transgênera é um desvio da normalidade ou um transtorno mental?

Há alguns anos, erroneamente, as identidades de gênero trans eram tachadas como desvios e transtornos mentais. Com o avanço do conhecimento científico, psicológico e social, compreende-se hoje que ser uma pessoa trans é uma característica da diversidade e da potência de vida em relação à existência humana e às identidades de gênero. 

Pessoas trans sempre existiram na história da humanidade, porém os direitos e o respeito à sua experiência e vida lhe foram negadas há alguns séculos em algumas sociedades. O estigma que recaiu sobre a existência transgênera foi tão violento que se reflete em números preocupantes até os dias de hoje. O Brasil segue sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo. 

A luta pela dignidade e pelo respeito às vidas das pessoas trans segue sendo extremamente necessário. Aquilo que parece tão básico e fácil no cotidiano de tantas pessoas cisgêneras, como ter o direito ao nome, pronomes e usar o banheiro de acordo com seu gênero, continua sendo uma batalha diária no dia a dia das pessoas trans.

Por isso, todas as ações políticas e sociais possíveis para a qualidade de vida da comunidade trans são essenciais.

Mas orientação sexual não é igual à identidade de gênero?

A orientação sexual se refere ao desejo afetivo-sexual, romântico ou não-romântico que uma pessoa tem por outra. Essa orientação pode, entre outras definições, ser homossexual, heterossexual, pansexual ou bissexual. Existem ainda outras modalidades de orientação sexual, como assexual e demissexual. 

A pessoa que possui orientação heterossexual é aquela que se sente atraída, afetiva ou sexualmente, por uma pessoa que possui o gênero oposto ao seu. A orientação homossexual diz respeito àquela pessoa que se sente atraída por alguém com o mesmo gênero que o seu. Já a pessoa bissexual se atrai por ambos os gêneros, feminino ou masculino. 

A orientação pansexual é a atração por outras pessoas, independente de sua identidade de gênero ser masculina, feminina, transgênera, não-binária ou outras. Existem ainda aquelas pessoas que podem não sentir qualquer tipo de desejo ou atração, sexual e/ou afetiva, por outras pessoas. Nesse caso, as pessoas possuem orientação assexual. 

Ter uma orientação sexual diferente da heterossexualidade é errado?

Assim como muitas identidades trans, as orientações sexuais diversas sofreram estigmatizações ao longo da história da humanidade que fizeram com que, durante muito tempo, fossem entendidas como transtornos ou desvios.

Entretanto, o avanço social e político dos direitos das pessoas que são gays, lésbicas e bissexuais, entre outras, possibilitou a disseminação da compreensão de que essas orientações são tão possíveis e potenciais quanto à heterossexualidade.

Estou em conflito com minha sexualidade e/ou identidade de gênero, como a psicoterapia pode me ajudar?

O profissional de psicologia é capacitado e orientado para acolher os seus sentimentos, percepções e questões em relação a todos os aspectos da sua existência, inclusive em relação a sua sexualidade e sua identidade e expressão de gênero.

É conduta ética importante à prática da psicologia o respeito à diversidade sexual e de gênero. Caso você encontre algum profissional que demonstre preconceito e/ou seja opressivo em suas colocações a respeito desse tema, é aconselhável acionar o Conselho Regional de Psicologia sobre essa conduta inadequada. 

Faz parte do processo psicoterapêutico o(a) psicólogo(a) pode lhe ajudar a refletir sobre os seus anseios, angústias e questões a respeito da sua orientação sexual e/ou identidade de gênero. É compreensível que algumas pessoas sejam tomadas por profundas angústias, uma vez que vivemos em um mundo que permanece permeado de preconceitos e informações equivocadas a respeito dessa diversidade. Crescer em uma sociedade e cultura imersas por esses preconceitos pode marcar negativamente o desenvolvimento de sua identidade e sexualidade.

Conjuntamente, você e o profissional de psicologia podem trilhar um caminho para a desconstrução das falsas crenças a respeito das orientações sexuais e/ou identidades de gênero. Explorando suas questões, vivências e potências, seus sentimentos e desejos vão ter um lugar seguro e compreensivo para serem acolhidos, com todo o respeito e dignidade que lhe são devidos.

Por isso, procure se cuidar e se acolher com a ajuda de um(a) psicólogo(a). Você não está sozinho. 

 

Matheo Bernardino – CRP-08/25791

(Psicólogo clínico de abordagem humanista-existencial) 

Matheo Bernardino
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar