Família

Como mães narcisistas afetam o psicológico dos filhos?

Aquela imagem de amor e proteção incondicionais de mãe nem sempre é o modelo real para algumas pessoas.

As mães narcisistas, inconscientemente, negligenciam os cuidados, a atenção e não suprem as necessidades dos filhos.

Elas não possuem capacidade cognitiva de ter empatia ou de amar, não conseguem avaliar e reconhecer os próprios erros, pois para esconder a sua real identidade, criam um mundo fictício, enxergando-se perfeitas, sem falhas ou defeitos.

É onde entra o sofrimento dos filhos, pois precisam lidar com este perfil de quem manipula e cultiva neles o sentimento de culpa.

Mas o que é uma pessoa narcisista?

Inspirado na mitologia grega, Narciso era um rapaz jovem e bonito que ao deparar-se com o seu reflexo na água, apaixonou-se pela imagem sem saber que era pela sua própria beleza. Morrendo afogado às margens do rio ao tentar tocar a imagem após admirar seus belos traços.

O termo narcisista é utilizado para definir um Transtorno de Personalidade Narcisista (conhecido também como Narcisismo), cuja a característica é marcada pela: 

  • Grandiosidade,
  • Insegurança,
  • Necessidade de afeto mas ao mesmo tempo indiferença em relação ao outro

Nem sempre o paciente com Transtorno de Personalidade Narcisista tem consciência desse estado. É um transtorno que se estabelece quando essa mãe ainda era uma criança, e se aprofundarmos constataremos que geralmente suas mães tinham traços semelhantes com atitudes de extrema violência, abusos, etc.

Então, é natural acreditarem que seus comportamentos negativos são normais ou aceitáveis. E quando seus filhos vão crescendo e se desenvolvendo, fazendo suas próprias escolhas, elas podem se sentir desagradadas e aí começa a relação narcisista. O narcisista tem um ego ferido, tem alteração de humor e projetam seus sofrimentos interiores agredindo o outro, causando sofrimento. 

Conviver com alguém diagnosticado como narcisista já algo é muito difícil, eles nunca irão se identificar com os traços do narcisismo.

Agora, imagina se este paciente for a mãe? As relações se tornam menos saudáveis ainda porque ela pode provocar situações que desencadearão em conflitos com seus filhos, pois estão preocupadas com o que é importante para elas mesmas.

O diagnóstico é confirmado por médico psiquiatra mas é comum que os psicólogos recebam queixas dos familiares sobre o comportamento destes pacientes, que já notam traços deste transtorno.

Também é comum que os pacientes com este transtorno de personalidade narcisista apresentem outros transtornos como comorbidade, sendo os mais frequentes os transtornos de depressão e de personalidade borderline ou histriônico, entre outros. 

Como o psicológico dos filhos são afetados?

Os filhos de mães narcisistas não são sujeitos com muita autonomia. Crescem num contexto familiar de agressividade, desamparo, manipulação e culpa pelas emoções dessas mães que se sentem em posse permanente desses filhos. É uma relação comprometida por atitudes perversas, frias e cruéis.

Esses filhos sofrem com os comportamentos abusivos, sendo constantemente criticados, tendo suas opiniões e sentimentos invalidados pelas mães que não comemoram as conquistas dos filhos, que usam métodos de controle como humilhações e comparações e podem até invejá-los. 

Por isso eles tendem a se tornarem adultos com baixa autoestima, que deixam suas necessidades de lado para evitar conflitos com elas.

Vale assinalar que as filhas são as mais expostas aos riscos reais. Conforme vão crescendo e se tornando mulheres interessantes e atraentes são apontadas como maiores ameaças para essas mães, que vivem se comparando a elas e criando rivalidades.

As filhas que tentam agradar essas mães, por viverem em vulnerabilidade, costumam apresentar dificuldade para reconhecer seus próprios méritos e competências, sentem-se mais ansiosas que o comum e tendem a se defender o tempo inteiro. São cobradas, exigidas, negligenciadas e até esquecidas. Geralmente sentem-se sozinhas com dificuldades de manter relacionamentos.

Mesmo havendo diferencial de tratamento, ainda assim os filhos não estão livres. Na dinâmica nociva familiar é comum que as mães “adotem” um filho para dar toda atenção em detrimento a outro que é o “bode expiatório” (geralmente a filha): o “filho dourado” é “precioso” e protegido por elas, servindo de referência, mas pode se tornar um adulto inseguro, ansioso e com dependência emocional; se elas tiverem dois filhos, um será o “objeto alvo”; e, se tiverem um único ele pode ser o “perseguido”.

Nada do que os filhos fizerem será o suficiente para essas mães. Haja o que houver, as mães narcisistas nunca se sentirão culpadas nem admitirão que fizeram algo errado. Ao contrário, elas se vitimizam dizendo que são sempre incompreendidas.

  • Não pedem desculpas,
  • Causam intrigas,
  • Não cumprem o que prometem,
  • Normalizam o sofrimento alheio,
  • São egoístas,
  • Deslumbradas e não respeitam os limites individuais de seus filhos.

As mães narcisistas se tornam incapazes de estabelecer vínculos e de criar conexões nas relações. Se elas sentirem que não tiveram atenção e suporte tratarão seus filhos sem a menor empatia, contradizendo e rebaixando-os para se sentirem melhores. 

Como lidar com uma mãe narcisista?

É importante que os filhos de mãe narcisistas se blindem e se imunizem deste tipo de comportamento. Que sintam por elas a empatia que elas não podem ter.

Uma mãe não é maldosa conscientemente, mas é importante entender se ela estará disposta a aceitar ajuda profissional para realizar tratamento, porque geralmente não reconhecem que são acometidas por esse transtorno.

Ainda não há cura para transtorno de personalidade narcisista mas é possível que estas mães aprendam a construir uma autoestima, sentindo-se valorizadas mas sem a necessidade de causar sofrimento aos seus filhos.

Como a convivência com mães narcisistas, na maior parte das vezes, é causado por constantes sofrimentos, os filhos devem pensar em si mesmos, levar a vida em diante e fazer psicoterapia para ter um apoio e se protegerem.

É preciso entender o contexto de cada família para utilizar as melhores estratégias e manter um convívio saudável. 

Como é o convívio com essas mães? Qual é o grau do transtorno de cada mãe e o impacto dos respectivos comportamentos em suas vidas?

Somente desta maneira é possível que os filhos percebem qual é a real necessidade: se convivendo menos para manter uma relação mais saudável ou se afastar, cortando o contato (contato zero), para encontrar independência e autonomia.

É uma decisão delicada, uma experiência muito dolorosa, mas com dedicação e planejamento o distanciamento pode ser reconfortante, sabendo que é possível ser feliz e valorizar outros relacionamentos fora do ambiente familiar. 

Se você desconfia que alguma pessoa próxima a seu convívio apresenta o perfil de mãe narcisista, pode contar com nosso apoio psicológico. 

Eu estou à disposição.

Eu realmente espero que este conteúdo seja útil.

Um abraço.

Referências

  1. DSM 5 – MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS. Artmed (Ano:2013).
  2. https://msdmanuals.com/pt-br/profissional/transtornos-psiquiátricos/transtorno-de-personalidade/transtorno-de-personalidade-narcisista-tpn
  3. https://www.medicinanet.com.br/m/cid/f/_transtoros_mentais_e_comportamentais
  4. https://www.scielo.br
Andreza Scatena Dan Scatena Dan
Últimos posts por Andreza Scatena Dan Scatena Dan (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar