Psicologia geralSem categoria

Você é passivo-agressivo?

O que significa ser passivo-agressivo

O comportamento passivo-agressivo nada mais é que uma expressão dissimulada de hostilidade. É uma ferramenta que as pessoas usam em situações em que querem evitar conflitos, por exemplo. Aparentemente, você se mostra aberto e receptivo aos desejos do outro, mas internamente você tem uma resistência em concordar com essas necessidades. Aos poucos, você vai se tornando uma pessoa irritada, mal humorada, mais agressiva e hostil.

Você conhece uma pessoa que, mesmo estando claramente desconfortável e com muita raiva, responde que “está tudo bem”? É bem por aí!

Ser passivo-agressivo significa que você tem dificuldade na expressão de sentimentos negativos, de ressentimento e agressão. Você lida com esses sentimentos de um modo passivo não assertivo, como através de procrastinação e teimosia. Muitas vezes, nem consegue admitir que realmente sentiu alguma raiva ou frustração.

Teimosia, ironia, mensagens com duplo sentido, piadas mal intencionadas, a interpretação do papel de vítima, a crítica e os comentários sarcásticos, a ignorância e até mesmo a procrastinação fazem parte do pacote.

Talvez você se identifique com algumas dessas situações e até mesmo ache elas corriqueiras, mas, para quem tem o comportamento passivo-agressivo tão enraizado, percebê-lo é bem mais fácil do que simplesmente mudar de comportamento de um dia para o outro. Em alguns casos, esse comportamento pode ter sido aprendido ainda na infância (principalmente em ambientes em que a criança percebeu que falar sobre os seus sentimentos era fora de cogitação. Vamos ver mais pra frente, neste artigo, qual é a relação entre a infância e esse tipo de comportamento).

Ainda, o passivo-agressivo pode ter esse comportamento se convive em um ambiente mega competitivo, e usa dessas estratégias para “se manter no controle”.

Em casos mais intensos, o comportamento pode ser diagnosticado como um transtorno de personalidade – e certamente a pessoa precisará de ajuda profissional para conviver com essas características.

Acompanhe a leitura do post, e vamos ajudá-lo a saber mais sobre o comportamento passivo-agressivo!

7 exemplos do comportamento passivo-agressivo

  1. Você usa do piadas sarcásticas para “alfinetar” o outro. Insulta, ridiculariza e faz brincadeiras em tom irônico;
  2. Fica emburrado ou emburrada, mas não quer mais falar no assunto;
  3. Arquiteta vinganças mentais, algum tempo depois do ocorrido que te deixou chateado;
  4. Mesmo tentando disfarçar a raiva, fica de mau-humor, contribuindo para um clima pesado e tenso;
  5. Pega birra, teima e desfaz combinados como uma espécie de retaliação;
  6. Quando a raiva aflora, o passivo-agressivo fica tão ressentido que fica com dificuldade até para manter o contato visual;
  7. Mesmo aceitando pedidos de desculpas, a raiva continua ativa internamente. A duração é indeterminada, pode durar horas ou dias.

A agressão passiva é uma forma de expressar sentimentos dissimulados de raiva de maneira silenciosa. É mais comum do que imaginamos e funciona mais ou menos assim: uma pessoa faz algo que desagrada a outra. Esta, sendo passiva- agressiva, ao invés de falar de forma transparente sobre o seu sentimento, optará por esconder a raiva e entrará num comportamento “fechado” de silêncio, mau-humor, sarcasmos, ironias e indiretas (como nos 7 itens indicados acima).

Mesmo negando que haja algo errado, a pessoa permanecerá “fechada” nesse contexto emocional. 

Lembrando que o comportamento passivo-agressivo é um traço de personalidade que se manifesta de forma velada.

A Negligência Emocional Infantil

Todos nascemos com a emoção da raiva conectada a nós por uma razão. É um sentimento essencial para nossa sobrevivência.

Sentimentos de raiva nada mais são do que mensagens do seu corpo. Quando você está com raiva, seu corpo está dizendo: “cuidado! Preste atenção! Alguém ou alguma coisa está ameaçando ou machucando você! Você precisa se proteger!”. A raiva é uma emoção com energia embutida, é uma emoção que te leva a agir.

Muitas de crianças crescem em lares que são intolerantes à sua raiva. Todos os dias, pais emocionalmente inconscientes ignoram a raiva de seus filhos, invalidam sua raiva tratando como se fosse “besteira”, ou, em casos mais graves, esquecem (em diversas situações, até mesmo de trauma) que crianças mesmo pequenas já tem consciência das coisas a seu redor e seus próprios sentimentos. Todos estes são exemplos de negligência emocional Infantil em ação.

A Negligência Emocional Infantil acontece, em resumo, quando os pais não conseguem perceber, responder ou validar os sentimentos de seus filhos o suficiente.

Quando você cresce em uma casa que trata sua raiva dessa maneira, seu cérebro e corpo em desenvolvimento absorvem uma lição poderosa e prejudicial: sua raiva é inútil, excessiva ou ruim. Quando criança, provavelmente sem o seu conhecimento, seu cérebro faz o que é necessário para protegê-lo. Nesse cenário, a mente bloqueia seus sentimentos de raiva de alcançar sua consciência, impedindo-o de sentir força “inútil, má, excessiva” dentro de você.

O que acontece depois? Diversas coisas infelizes:

  • Você perde a capacidade de se beneficiar totalmente desse sentimento protetor tão importante (sim! todos os seus sentimentos tem valor e tem de ser respeitados!);
  • Você não aprende as habilidades de raiva que deveria aprender nas experiências de vida;
  • A raiva não processada não desaparece. Ela está lá, fomentando, do outro lado da parede que o cérebro de sua criança construiu para bloqueá-lo e precisa ser trabalhada!

A raiva deve ser sentida, entendida, ouvida e, em muitas situações, expressa antes de desaparecer. Imagine o que acontece dentro de você quando tanta energia é acumulada no seu corpo!

Como sua raiva não processada fere outras pessoas

Raiva fomentada, não processada, tem um jeito de encontrar o caminho para a superfície. É isso que coloca mais em risco aqueles que cresceram com algum tipo de negligência na infância.

Acreditar que a sua raiva é irrelevante e que é errado expressá-la, faz com que você tente evitar a raiva quando é um adulto. Evitar mostrar sua raiva, evitar dizer qualquer coisa, evitar a pessoa que a machucou, etc.

Mas, como sabemos, isso não faz com que sua raiva realmente vá embora. Ele agora vazará pelas bordas do bloco e sairá de formas que você nunca esperou, possivelmente de maneiras que as pessoas não merecem. E, pior de tudo, você pode nem perceber que isso está acontecendo. 

Como você se sente ao processar o sentimento de raiva?

Se você se vê, ou conhece alguém próximo a você que se identificaria com o descrito neste post, não se preocupe. Existem respostas. É possível tornar-se menos passivo-agressivo! 🙂

Como lidar com pessoas passivo-agressivas

O sentimento que gera nas pessoas ao redor de alguém com comportamento passivo-agressivo exacerbado é o de impotência. Se você precisa estar em contato próximo com alguém que tem essas características muito afloradas, o melhor é que você não se deixe abalar com seu mau humor e responda com bondade. Ser positivo, otimista, apresentar humor ou falar sobre questões banais é a melhor maneira de resistir à influência negativa de seu comportamento.

Se tivermos intimidade ou caso a aproximação seja saudável, é aconselhável sugerir para que a pessoa procure ajuda psicológica. O psicoterapeuta tentará reduzir sua raiva e frustração, ensinando-lhe estratégias de enfrentamento efetivas. O especialista trabalhará sua objetividade, assertividade e solução de problemas de forma eficaz e mais saudável.

4 passos para deixar de ser passivo-agressivo

Comece a ver sua raiva como uma ajudante, em vez de um fardo

Comece a prestar atenção quando você sentir o sentimento. Mesmo se você acha que nunca está zangado ou zangada, eu garanto que esse sentimento passa por você (nem que seja de vez em quando). Por mais estranho que pareça, você só precisa implacavelmente tentar sentir a sensação.

A raiva é um sentimento válido, como todos os outros.

Aprenda a ser mais assertivo

Ser assertivo é expressar seus sentimentos, pensamentos e necessidades para os outros de uma forma construtiva. Assertividade é um grupo de habilidades que você pode aprender! E esta é uma habilidade que irá ajudá-lo a expressar sua raiva em momentos de mágoa, aborrecimento e conflito. Quando você consegue se expressar, sua raiva se torna útil.

Comece a construir sua tolerância ao conflito

Você passou a sua vida se sentindo despreparado e sobrecarregado por situações potencialmente conflituosas. Sua tendência tem sido evitar ou ignorar essas situações. À medida que você acolhe sua raiva e constrói suas habilidades de assertividade, pode começar a ir em direção ao conflito, em vez de ir embora. Redefina essas situações difíceis como oportunidades para praticar suas novas habilidades.

Lembre-se: todas as suas emoções são válidas!

Comece aprendendo todas as outras habilidades de emoção também

Não é só raiva. Todos os seus sentimentos são mensagens do seu corpo e podem ajudá-lo substancialmente em sua vida. Principalmente no caso de ter crescido em um ambiente com pessoas que ignoraram ou desencorajaram suas emoções, você só soube canalizar a energia das suas emoções dessa forma. Agora, à medida que a sua visão de suas emoções muda, você pode aproveitar a energia, direção, motivação e conexão que você sempre quis desfrutar para trazer uma nova forma de olhar para a sua saúde emocional e mental como um todo.

O processo de se tornar menos passivo-agressivo é, na verdade, um processo de cura. Envolve olhar para dentro e aceitar a expressão mais profundamente pessoal de quem você é: suas emoções.

Este processo pode parecer difícil, mas você pode fazê-lo. Acredite, você pode aprender a expressar como se sente. 🙂

Psicologia Viva

Selecionamos o psicólogo adequado para a sua necessidade e possibilitamos você ter uma consulta online por videoconferência de qualquer lugar do mundo.
Psicologia Viva
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar