Desenvolvimento pessoal

Contribuições da Psicoterapia Positiva (PPT) para estes tempos de pandemia 

– “Calma, isso vai passar”. 

– “Calma! Não há bem que sempre dure nem mal que nunca se acabe.” 

– “Quando tudo passar, as pessoas serão melhores”

Tudo que é objeto de sofrimento daqui um tempo será nada? Estas falas: “isso vai passar”, “isso não é nada”, etc. carregam com elas transtornos para quem as ouve. Elas podem criar um vazio e uma descrença nas emoções.

Se tudo passa a vida perde o sentido e nós não vivemos sem ele, pois “Precisamos aprender e também ensinar as pessoas em desespero que a rigor nunca e jamais importa o que nós ainda temos a esperar da vida, mas sim exclusivamente o que a vida espera de nós.” (Frankl,1991).

Covid-19 e a saúde mental

Desde o início do ano de 2020, o mundo enfrenta uma crise com a pandemia devido à infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), detectado na China em dezembro de 2019.

Registra-se o pessimismo, a desconfiança, a insegurança, a angústia, o pânico, e tantas outras descompensações psicológicas. Desvelam-se as inseguranças e as fragilidades.

Por muito tempo as certezas prevaleciam, a verdade sobre o viver e o morrer era soberana. De repente, tudo cai por terra, os próximos passos se perdem, os discursos das certezas se calam, se limitam a minguadas e silenciosas reflexões.

Emerge o sofrimento, mas esse não vai passar. Ele é individual e a pessoa tem que ter consciência que dentro deste universo ela é exclusiva, que ninguém poderá assumir a sua dor. No entanto, da mesma maneira que a suporta, tem também a possiblidade de ameniza-la, ressignificá-la e até mesmo curá-la.

Hoje o medo de ser contaminado, de perder alguém querido, de perder o emprego ou ter a renda alterada, traz a ansiedade. Por outro lado, a angústia diante das restrições que impedem a livre escolha e a solidão produzida pelo distanciamento social que podem acarretar a depressão.

Um futuro incerto produzindo a insegurança e o sentimento de inconstância faz emergir a impotência. A vida parece perder o sentido para um grande universo de pessoas. Quais são as consequências de todo o medo, de todas as incertezas, inseguranças e contingências? Quais estratégias de enfrentamento podem ser usadas para minimizar todo esse sofrimento?

Onde a psicologia pode contribuir?

Diante deste contexto, ressalta-se a importância do psicólogo, que é quem irá oferecer suporte e apoio ao indivíduo psiquicamente afetado. No entanto, devido ao distanciamento social, foi necessário estabelecer o atendimento remoto, através da resolução publicada pelo Conselho Federal de Psicologia (nº4/2020), onde orienta a atuação do psicólogo online, desde que este esteja habilitado através do cadastro “E-psi”. 

Este profissional pode contribuir com a realização de intervenções psicológicas que irão minimizar os impactos negativos, promovido pelo novo contexto; possibilitar a habilidade da resiliência e propiciar melhor relação com as adversidades da vida frente a tantas mudanças; e, também, em momentos posteriores, quando muitos precisarão se readaptar e lidar com perdas e mudanças. 

Nessa perspectiva, a Psicoterapia Positiva pode contribuir efetivamente na redução dos sintomas psicológicos, especialmente diante deste cenário da COVID-19, promovendo o bem-estar subjetivo e psicológico. Uma pessoa pode estar triste, estressada, ansiosa, com raiva, angustiada, mas será capaz de descobrir e usar a sua gentileza, seu entusiasmo, sua autorregulação, sua gratidão e, acima de tudo, seu otimismo e sua esperança.

A Psicoterapia Positiva

A PPT é uma abordagem terapêutica emergente, baseada nos princípios da Psicologia Positiva, que estuda os processos e as condições que possibilitam aos indivíduos, às comunidades e às instituições prosperarem.

Explora o que está dando certo, o que está funcionando bem e o que pode ser cultivado. Ela é o braço terapêutico da Psicologia Positiva. Através dela os sintomas são integrados com as forças de caráter, que são características ou capacidades positivas dos indivíduos, universais e valorizadas em todas culturas; os riscos com os recursos; os pontos fracos com os valores e os pesares com as esperanças. 

A tendência natural do ser humano é consumir uma grande parte de tempo pensando somente no que está dando errado, e um curto tempo naquilo que está dando certo. O cérebro durante a evolução, foi orientado e adequado às experiências negativas.

E neste momento que o mundo vive uma pandemia, diante de tantas perdas, de tantas notícias alarmantes, de tantas incertezas e medo, não é surpreendente um número significativo de pessoas com depressão, ansiedade, transtorno pós-traumático, transtorno de estresse, fobias, transtornos de pânico, dentre outros. 

Por outro lado, hoje o estudo sobre as emoções acaba derrubando por terra esta noção de evolução do cérebro. Os estudos revelam que existem estilos emocionais distintos e que estão ligados às atividades cerebrais, ou seja, ele não é fixo, imutável ou estático, como bem diz Goleman (2001, p.18): “Uma visão da natureza humana que ignore o poder das emoções é lamentavelmente míope. A própria denominação Homo Sapiens, a espécie pensante, é enganosa à luz do que hoje a ciência diz acerca do lugar que as emoções ocupam em nossas vidas.”  

A origem da PPT 

Desde o término da Segunda Guerra Mundial, psicólogos humanistas, como Rogers, Maslow, Murray, Allport e May passaram a defender abordagens mais positivas para a psicoterapia, como o próprio Maslow pontuou (In: Rashid & Seligman,2019, p.9): “A ciência da psicologia teve muito mais sucesso no lado negativo do que no positivo. Ela nos revelou muito acerca das deficiências do homem, sua doença, seus pecados, mas pouco sobre seus potenciais, suas virtudes, suas aspirações realizáveis ou sua estrutura psicológica plena. É como se a psicologia tivesse voluntariamente se restringido apenas à metade da sua competência legítima, a metade mais sombria, mais vil”.

O foco da PPT não é o determinismo baseado nas disfunções e nos transtornos, mas ao contrário, é o encorajamento oferecido ao cliente a reconhecer o que está certo, forte e bom em sua vida e usar o que há de melhor nele para protege-lo contra os transtornos mentais.

As forças de caráter servem de prevenção e defesa contra o efeito dos acontecimentos negativos e o sofrimento, e está associado a vários indicadores de bem-estar, como qualidade de vida. Elas anteveem resiliência, suporte social, autoestima, satisfação com a vida, afeto positivo, autoeficácia e otimismo (Niemiec,2019).

Outra teoria que sustenta a PPT é a teoria do bem-estar, composta em cinco elementos cientificamente mensuráveis:

  1. As emoções positivas, que representam a dimensão hedônica da felicidade;
  2. O engajamento, que é a dimensão relacionada ao flow, que é o estado psicológico decorrente de intensa concentração;
  3. As relações positivas, que estão relacionadas à sensação de bem-estar;
  4. O significado (sentido na vida), que é o pertencer e servir a alguma coisa que seja maior que a própria pessoa;
  5. Realização, que é a busca subjetiva pelo progresso, pelo crescimento pessoal. (Seligman, 2012).

Ferramentas da PPT

Uma das estratégias utilizada pela Psicoterapia Positiva (PPT), para aumentar o bem-estar, é o Diário da Gratidão, onde o cliente escreve diariamente três coisas boas que aconteceram e procura responder sentenças sobre elas, como por exemplo: 

– Por que essa coisa boa aconteceu?

– Qual foi seu significado?

O exercício da gratidão leva ao reconhecimento do valor e do significado dos aspectos positivos. A gratidão estimula a estruturação das experiências negativas como positivas. Ela amplia a perspectiva e desenvolve outras emoções positivas e o raciocínio positivo, protegendo os indivíduos contra crises de depressão.

Outra prática de exercício é a do perdão. O perdão é um processo de mudança, e não de evento. O excesso de rancores, muitas vezes, é marcado por hostilidade, raiva, medo e depressão.

Segundo Seligman & Rashid (2019) o perdão auxilia a cura psicológica através de mudanças positiva no afeto, melhora a saúde física e mental, leva à recuperação do senso de poder pessoal de uma vítima, promove a reconciliação e a esperança mediante conflitos entre grupos. As práticas propostas envolvem sempre autocompaixão, criatividade, otimismo e também a meditação, para a promoção da resiliência e do bem-estar. 

Uma forma de enfrentamento, diante da inconstância e da incerteza frente à pandemia, é o exercício da resiliência. Ela se refere à habilidade de adaptar-se positivamente a situações de adversidades ou riscos.

Já a criatividade é imprescindível para vencer momentos de crise, tanto que é uma força de saúde mental, pois vem acompanhada de atitudes de otimismo e esperança de que dias melhores virão. Junto a ela encontra-se a abertura às novas experiências, tolerância mediante às ambiguidades, persistência, o uso da intuição e da imaginação e o inconformismo. 

Contribuições da PPT

Para Psicoterapia Positiva, as forças de caráter e as emoções positivas são autênticas e reais mediante aos sintomas negativos e aos transtornos.

Se trapaça, ressentimento, competição, ciúme, ganância, preocupação e estresse são reais, também são reais atributos como honestidade, cooperação, gratidão, compaixão, contentamento e serenidade.

Alimentar-se da sensação de bem-estar com base naquilo que sente de bom, é a forma de construir o mundo, ampliar os próprios horizontes, as apreciações e o potencial de vida. Emoções positivas podem produzir momentos transformadores.

No cenário de uma pandemia, com a Psicoterapia Positiva presente, o indivíduo aumentará as forças pessoais que já existe, reconstruirá e fortalecerá o que está bom, pois a Psicoterapia Positiva reconhece que os traços positivos e os comportamentos adaptativos servem como fatores protetores contra os estressores e as dificuldades futuras.

Quando se toma conhecimento dos aspectos positivos, aumenta-se a capacidade de lidar com eventos difíceis, tornando-se agentes ativos na superação da vulnerabilidade e do risco.

É preciso conscientizar que se pode encontrar sentido na vida mesmo diante de uma situação sem esperança, ou ao enfrentamento de uma realidade que não pode ser mudada. O importante é o testemunho do que se tem de mais elevado, que transformará a tragédia em triunfo, o sofrimento numa conquista humana.

Evitar o reconhecimento de uma perda e do sofrimento é recorrer a meios nocivos de enfrentamento, que podem impedir a compreensão do significado da perda e produzir o vazio, o nada. Tudo vai passar sim, mas de forma experienciada e ressignificada.

 

Ghislene Almeida Lima

CRP – 04/36.300

 

Referências Bibliográficas:

Frankl, V.E. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petropólis: Vozes, 1991.

Goleman, D. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que define o que é ser inteligente. São Paulo: Objetiva, 2001

Niemiec, R.M. Intervenções com forças de caráter: um guia de campo para praticantes. Trad. Gilmara Ebers. Rev. Helder Kamei. São Paulo: Hogrefe, 2019

Rashid, T., Seligman, M. Psicoterapia positiva: manual do terapeuta. Porto Alegre: Artmed, 2019

Seligman, M. E. Felicidade autêntica [recurso eletrônico]:usando a psicologia positiva para a realização permanente. Trad. Neuza Capelo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010

Seligman, M.E. Florescer: uma nova compreensão da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012

Ghislene Almeida Lima
Últimos posts por Ghislene Almeida Lima (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar