Desenvolvimento pessoal

Respiração Consciente: a âncora do nosso corpo

“Se ensinássemos meditação a todas as crianças de 8 anos,

eliminaríamos a violência numa geração” –

Dalai Lama.

Compreendendo o que é Atenção Plena

O termo Mindfulness é um substantivo, que ao ser traduzido para o português define-se como Atenção Plena. 

O doutor em biologia molecular, Kabat-Zinn (1990/2017), descreve Mindfulness como a prática de voltar a atenção para o aqui e agora, direcionando a atenção para o momento presente sem julgamentos, auxiliando na tomada de consciência de emoções, sentimentos e sensações.

De acordo com Assunção & Vandenberghe (2009) apud Penha, Gomes & Enetério (2020) “a postura mindfulness é uma proposta contrária ao que se vive na cultura ocidental onde tudo ocorre em ritmo acelerado e automático. Mindfulness vem trazer uma ideia de desacelerar e voltar a atenção ao que se está fazendo, vivenciando, assim, o presente”.

Respiração Consciente: Atenção Plena da respiração

Respirar. Algo tão básico, algo que não valorizamos e que agora percebemos a importância. Quantas vezes, você que está lendo este texto, percebeu que não estava respirando direito? Quantas vezes sentiu tensões que poderiam ser acalmadas pelo simples ato de respirar (BUENO, 2013)? Você sabia que há uma estreita relação entre a respiração e a ansiedade? 

A respiração compreende duas fases, uma ativa: a inspiração, que é importante na admissão de ar para a oxigenação do sangue que gera energia, e outra passiva: a expiração, que através dela o corpo elimina o dióxido de carbono, veneno e excitante do Sistema Respiratório (BUENO, 2013, p.186). 

Como o próprio título deste texto fala, a respiração é a âncora do nosso corpo, estando intimamente relacionada com o relaxamento e com a dimensão emocional. A introdução da meditação e de técnicas de relaxamento na rotina pode ser primordial pela capacidade de proporcionar processos humanizados e explorar aspectos emocionais e relacionais que têm potencial de serem desenvolvidos.

Ou seja, essas práticas ajudam na autorregulação do organismo.

Por isso, fique atento ao modo como você respira…

No dia a dia, é comum esquecermos de escutar o nosso corpo, de verificar como está a nossa respiração, de observar as nossas necessidades básicas e fisiológicas. Ter hábitos saudáveis faz toda a diferença. 

Ao adotar uma postura observadora e não julgadora das nossas necessidades, ao nos conectarmos com a respiração consciente estaremos desenvolvendo uma prática de autocuidado e amorosidade com nós mesmos. Portanto, lembre de pausar pelo menos 5 minutinhos do seu dia, respirar e olhar para você!

Possibilitando, dessa forma, realizar a manutenção do seu organismo. Desacelerando, descansando e se cuidando. Lembre-se, faz parte de um dia produtivo ter momentos de pausas para respirar, o descanso faz parte da produtividade. 

Meditação Mindfulness e a importância de sua prática para o nosso bem-estar

Além do que foi explicado anteriormente, há vários estudos que comprovam a eficácia dessas práticas. Um dos exemplos é o estudo do Kabat-Zin, o doutor citado no início deste texto. Ele desenvolveu estudos sobre a medicina, a biologia e a filosofia budista para organizar um protocolo de meditação baseado em mindfulness visando a redução do estresse, que denominou Mindfulness Based Stress Reduction – MBSR (NUNES, 2020). 

Alguns benefícios de adotar uma postura de mindfulness

No estudo citado acima, assim como em outros, ficou comprovado que as práticas meditativas proporcionam alguns benefícios, como:

  • Redução da ansiedade,
  • Regulação das emoções,
  • Manejo de dores, 
  • Consciência corporal, 
  • Melhora no comportamento da hiperatividade, agressividade e socialização,
  • Maior capacidade de atenção, concentração e foco, 
  • Autoconhecimento e 
  • Melhorias na forma de se relacionar com as pessoas e com o mundo.

O estudo de Hölzel et al. (2011), por sua  vez, analisou pessoas que passaram pelo treinamento de redução de estresse com base em mindfulness e identificou uma maior quantidade de massa cinzenta nas regiões do hipocampo esquerdo e córtex cingulado posterior. A pesquisa sugere que a intervenção está associada à processos de aprendizagem e memória, bem como à regulação da emoção.

Aspectos sócio históricos são fatores determinantes para a nossa saúde mental

É imprescindível que, diante do cenário atual de pandemia e das crises sociais, históricas e políticas no Brasil e no mundo, os cuidados para a preservação da saúde emocional sejam redobrados. Essa realidade tem deixado sequelas nos indivíduos, ninguém sairá desse contexto histórico da mesma forma como chegou. 

Portanto, fica o convite para refletir sobre o sentido e o significado da vida, a importância do Ser antes do Ter; a importância de valorizar as pequenas coisas da vida, como acordar vivo, ter um trabalho, ter comida na mesa, um teto para morar, uma cama para dormir, saúde para respirar. 

Além da valorização dessas coisas básicas, que infelizmente nem todos os indivíduos têm acesso, esse momento histórico nos convida também a pensar sobre a nossa saúde mental. Sobre compreender, aceitar e cuidar das nossas feridas emocionais, das nossas preocupações, praticando a autocompaixão. E lembrar de respirar, de cuidar do nosso corpo e da mente é um ato de amor próprio. 

Mas, afinal, como inserir essas práticas em nosso cotidiano?

Há várias formas de desenvolver a Atenção Plena na rotina, o primeiro passo é quando há a decisão de querer desacelerar e desenvolver um novo caminho para vivenciar a vida. A partir dessa escolha, as atitudes começam a ser modificadas. 

Não é necessário estar em postura meditativa para desenvolver a Atenção Plena, pode-se vivenciar essa prática de outras formas: ao comer com calma apreciando a textura da comida, o sabor, o cheiro e as sensações de ingerir aquele alimento; ao tomar banho, focando nas funções de contato, como o toque; ao estar em contato com a natureza; ao caminhar; como também nas pausas do dia para a respiração consciente.

Além disso, há vários aplicativos de Mindfulness e Meditação Guiada que podem nos auxiliar a construir esse hábito. 

Lembre-se do autocuidado, você precisa estar bem para ajudar outras pessoas!

Então, que tal começar a respirar de forma consciente? Quando praticamos a autocompaixão e a consciência amorosa, conseguimos atravessar os momentos de crise de forma mais leve, equilibrando e renovando as nossas energias para lutar por um mundo melhor, com menos preconceitos e desigualdades. 

Julia Evelyn Lima da Costa

Psicóloga

CRP 17/4570

Referências bibliográficas

  1. BUENO, Jocian Machado. Psicomotricidade: teoria e prática: da escola à aquática. Cortez Editora, 2013.
  2. NUNES, Andrea Loss; DE SOUZA, Mariane Lima. Meditação Mindfulness E Gestalt-Terapia: Um Encontro Possível Para A Saúde Humana. Phenomenology, Humanities and Sciences, v. 1, n. 1, p. 152-176, 2020.
  3. PENHA, Ana Clara Carvalho; GOMES, Gabriela Vieira; ENETÉRIO, Núbia Gonçalves da Paixão. MINDFULNESS COMO FATOR DE PROMOÇÃO DA APRENDIZAGEM. 2020.
Julia Evelyn Lima da Costa Lima da Costa
Últimos posts por Julia Evelyn Lima da Costa Lima da Costa (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar