Saúde

Saúde mental e pandemia de COVID-19

Prognósticos incertos, uma grande escassez de recursos para testes e tratamento para proteger as pessoas acometidas pela COVID-19 e os profissionais da saúde de infecção.

Imposição de medidas de saúde pública desconhecidas que infringem as liberdades pessoais, grandes e crescentes perdas financeiras e mensagens conflitantes de autoridades estão entre os principais estressores que, sem dúvida, contribuem para o sofrimento emocional e aumento do risco para doenças psiquiátricas associadas ao COVID-19. 

Os profissionais da saúde mental têm um papel importante no combate aos desfechos emocionais causados pela pandemia.

Consequências da pandemia

As emergências de saúde pública podem afetar a saúde, segurança e bem-estar de todos os indivíduos causando, por exemplo, insegurança, confusão, isolamento emocional, e estigma. Nas comunidades, devido à perda econômica, trabalho e fechamentos de escolas, falta de recursos básicos.

Esses efeitos podem se traduzir em uma série de consequências emocionais como sofrimento ou condições psiquiátricas, comportamentos não saudáveis como uso excessivo de substâncias, confinamento domiciliar em pessoas que contraem a doença e na população geral. 

Pesquisa extensa em desastre de saúde mental estabeleceu que o sofrimento emocional é onipresente nas populações afetadas – uma descoberta que certamente ecoou em populações afetadas por a pandemia COVID-19. Depois dos desastres, a maioria das pessoas são resilientes e não sucumbem à psicopatologia. Na verdade, algumas pessoas encontram novos pontos fortes. 

No entanto, em desastres naturais “convencionais”, acidentes tecnológicos e atos intencionais de destruição em massa, uma preocupação principal é o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), decorrentes da exposição a trauma. 

Condições médicas de causas naturais, como infecção viral potencialmente fatal, não atendem aos critérios atuais de trauma necessários para um diagnóstico de TEPT, mas outras psicopatologias, como transtornos depressivos e de ansiedade, podem surgir.

Quem é mais vulnerável à pandemia?

Alguns grupos podem ser mais vulneráveis ​​do que outros aos efeitos psicossociais das pandemias.

Em particular, as pessoas que contraem a doença, aquelas em maior risco (incluindo os idosos, pessoas com comprometimento na função imunológica, e aqueles que vivem ou recebem cuidados em ambientes congregados), e pessoas com doenças psiquiátricas preexistente, ou problemas de uso de substâncias estão em aumento do risco de resultados psicossociais adversos.

Os profissionais de saúde também são particularmente vulneráveis ​​ao estresse emocional na atual pandemia, devido ao risco de exposição ao vírus, preocupação em infectar e cuidar de seus entes queridos, escassez de equipamento de proteção individual (EPI), mais horas de trabalho, exaustão emocional. 

Esforços de prevenção, como triagem de problemas da saúde mental, psicoeducação e o apoio psicossocial deve se concentrar nesses e em outros grupos em risco de resultados psicossociais adversos. 

As consequências do isolamento

Além das tensões inerentes à doença em si, diretivas de confinamento domiciliar em massa (incluindo ordens de permanência em casa, quarentena e isolamento) levantam preocupações sobre como as pessoas estão reagindo individualmente e coletivamente. Uma revisão recente das sequelas psicológicas em amostras de pessoas em quarentena revelou vários resultados emocionais, incluindo:

  • Estresse,
  • Depressão,
  • Irritabilidade,
  • Insônia,
  • Medo,
  • Confusão,
  • Raiva,
  • Frustração,
  • Tédio e,
  • Estigma associados à quarentena.

Estressores específicos incluiu maior duração de confinamento, tendo suprimentos inadequados, dificuldade em obter assistência médica, cuidados e medicamentos, e as perdas financeiras.

Na atual pandemia, o confinamento domiciliar de grandes áreas da população por períodos indefinidos, diferenças entre as ordens de permanência emitidas por várias jurisdições e mensagens conflitantes do governo e das autoridades de saúde pública, provavelmente intensificam o sofrimento. 

Oportunidades para monitorar as necessidades psicossociais e fornecer suporte durante os encontros diretos com o paciente na prática clínica são muito reduzidos nesta crise por confinamento domiciliar em grande escala. 

Como posso buscar ajuda?

Serviços psicossociais, estão sendo oferecidos por meio do atendimento on-line. No contexto de COVID-19, nas consultas de avaliação psicossocial e monitoramento, devem incluir os estressores relacionados ao COVID-19 (como exposição de mídias, membros da família infectados, perda de entes queridos e distanciamento físico), itens secundários (perdas econômicas), efeitos psicossociais (como depressão, ansiedade, preocupações, insônia, aumento do uso de substância e violência doméstica), e indicadores de vulnerabilidade (como condições físicas ou psicológicas preexistentes).

Alguns pacientes precisarão de encaminhamento para avaliação e cuidados formais de saúde mental, enquanto outros podem se beneficiar de intervenções de apoio projetados para promover o bem-estar e melhorar enfrentamento (como psicoeducação ou técnicas comportamentais cognitivas).

Fique atento às dicas

À luz da crescente crise econômica e das inúmeras incertezas que cercam esta pandemia, ideação suicida pode surgir e necessitam de consulta imediata com um profissional de saúde mental ou encaminhamento para possível internação psiquiátrica de emergência. 

Relatos da mídia pode ser emocionalmente perturbador, contato relacionado às notícias da pandemia devem ser monitoradas e ter tempo limitado de exposição. 

Os pais não devem subestimar a angústia de seus filhos, discussões abertas devem ser abordadas e as reações e preocupações das crianças devem ser levadas em consideração.

Alerta aos profissionais de saúde e organizações

Dado que a maioria dos casos de COVID-19 serão identificados e tratados em configurações de cuidados de saúde por trabalhadores com pouco ou nenhum treinamento da saúde mental, é imprescindível que a avaliação e intervenção para questões psicossociais sejam administradas nesses ambientes. 

Idealmente, considerações e a integração da saúde mental sobre os cuidados da COVID-19 deve ser abordado no nível organizacional por meio de planejamento local; mecanismos para identificar, encaminhar e tratar consequências psicossociais graves; e garantindo a capacidade de consultar especialistas. 

Educação e treinamento sobre questões psicossociais devem ser fornecidas aos líderes do sistema de saúde, socorristas e profissionais de saúde. A gestão de saúde e emergência devem funcionar juntos para identificar, desenvolver e disseminar recursos baseados em evidências relacionados a desastres de saúde mental, triagem de saúde mental e encaminhamento, notificação de óbito e cuidados ao luto.

Esforços de comunicação de risco devem antecipar as complexidades de questões emergentes, como diretrizes de prevenção, disponibilidade e aceitabilidade de vacinas e intervenções baseadas em evidências relevantes para pandemias e devem abordar uma gama de preocupações psicossociais. 

Considerações finais

A pandemia Covid-19 tem implicações alarmantes para a saúde individual e coletiva e funcionamento emocional e social.

Além de fornecer cuidado com a assistência médica, os profissionais de saúde têm um papel importante no monitoramento de necessidades psicossociais, além de fornecer apoio psicossocial aos seus pacientes.

Referência:

  1. Pfefferbaum. B, North. S. C. Mental Health and the Covid-19 Pandemic. n engl j med 383;6 nejm.org August 6, 2020
Lisiane Regina Bee
Últimos posts por Lisiane Regina Bee (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar