Os meus, os teus, os nossos sentimentos. Como compreendê-los melhor?

Os meus, os teus, os nossos sentimentos. Como compreendê-los melhor?

Quando você interage através das relações sociais de seu cotidiano, sejam elas casuais, de trabalho, amorosas e até mesmo familiares, não é somente um encontro de pessoas que ocorre, é um encontro de vidas. 

Quando você fala com o vendedor, com a professora de seu filho, com o prestador de serviços, seus familiares, quando você se apaixona… O que está em jogo são histórias, carregadas de “pré-conceitos”, características próprias, vivências, crenças, traumas, religião e cultura. 

O que ocorre é uma complexa interação de sentimentos, cada um com seus medos, seus relacionamentos, a história de seu dia, entre tantos outros traços de personalidade. Não são encontros simples, apesar de automáticos, são complexos e cheios de significados.  

Por que é importante estarmos atentos aos sentimentos?

Ao compreendermos a imensidão de sentimentos presentes em cada um de nossos contatos diários, fica mais fácil perceber e entender o outro, e nos posicionarmos mais adequadamente diante de cada situação. 

O que o outro nos provoca – raiva, paixão, angústia, pena, curiosidade, entre outros – é relativo ao que ele fez ou falou, mas também ao que carregamos em nossa bagagem. Ou seja, a mesma situação provoca sentimentos diferentes em cada pessoa que a vivencia, de acordo com o que ela carrega dentro de si. 

É como se ao longo de nosso desenvolvimento adquiríssemos ferramentas para lidar com cada situação. Então, cada pessoa carrega suas ferramentas, com suas marcas, ao encontrar a outra pessoa, encontram-se também as ferramentas internas de cada uma delas, carregadas de personalidade e características específicas. 

Não esqueça: cada um possui uma história singular

Quando alguém fala algo que irrita, ou magoa, é preciso refletir sobre o motivo pelo qual isso causou tanta dor, perceber que o outro também é portador de uma história, entendendo, por exemplo, que seu desenvolvimento foi marcado por inúmeras situações difíceis e que a forma ríspida dela falar é em decorrência desse fato e não um ataque a você. 

E, principalmente, perceber que, o que o outro falou não foi tão ruim, mas você estava em um momento de fragilidade e recebeu a ação com mais intensidade, ofendendo-se mais do que era preciso. A crítica exagerada, a intolerância, o desconforto gerado em sua vida, certamente diz mais sobre você do que sobre efetivamente as características do outro. 

Perceba que o que pode ser ofensivo para você, para o outro pode ser algo positivo. Então se torna tarefa cruel e falível buscar compreender a situações a partir de perspectivas que não são suas, quando na verdade, o que precisamos fazer é olhar do que somos feitos, as crenças familiares que carregados e os traumas que alteram nossa percepção de mundo. 

A mudança deve acontecer antes em você

Sim, tudo diz respeito a você. E isso pode ser até desconfortável de sentir e perceber, mas também é fortemente libertador, pois contém a capacidade de mudança única e exclusivamente dependente de você. 

Não são os outros, não é a situação social, não é nada externo. É como você sente cada uma dessas situações e como “(re) age” a elas. 

 Descubra-se, observe-se, pense sobre os sentimentos, conheça seus pontos fortes e fracos. Assim, você saberá como lidar melhor com eles, saberá os motivos que te fazem sentir-se de uma forma ou de outra ao falar sobre determinados assuntos ou com determinadas pessoas, e assim terá mais poder e conhecimento para agir. 

Pense, trabalhe e liberte-se de suas crenças, aperfeiçoe seus sentimentos e cresça alcançado melhor qualidade de vida. 

Últimos posts por Marilia Giacobbo Trevizan (exibir todos)
Deixe seu comentário aqui
Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.