Desenvolvimento pessoal

De que sua autoestima precisa? 

Você já fez de tudo para melhorar sua autoestima, mas parece que nada do que você faz traz resultados? Talvez você esteja tentando algo grandioso ou pontual demais. Uma mudança radical na sua aparência pode melhorar seu ânimo por alguns dias, mas dificilmente fará uma diferença importante na sua autoestima ao longo do tempo se não houver algo a mais que sustente sua sensação de bem-estar consigo mesma. 

Para se desenvolver, sua autoestima precisa de cuidados diários! Pode ser através de pequenas ações, mas que sejam significativas. Você precisa de tempo e dedicação, talvez você precise modificar alguns aspectos da sua rotina e incluir algumas coisas nela, abandonar alguns hábitos e construir alguns novos.

Pense na sua autoestima como uma flor pequena e delicada, ela não precisa de grandes quantidades de água, mas precisa de algumas gotas todos os dias. É a constância das suas ações que vai fazer com que sua autoestima floresça. 

Pensando nisso, separei quatro coisas essenciais que você precisa começar a praticar para que sua autoestima possa se fortalecer. São elas:

  • Autocompaixão,
  • Autoaceitação,
  • Autoeficácia,
  • Autocuidado.

Todas essas coisas podem ser desenvolvidas através de hábitos e tarefas que colocamos na nossa rotina e, também, treinando sua atenção ao modo como você se relaciona consigo mesma para, assim, poder modificar alguns dos padrões de pensamentos que tanto prejudica a avaliação que você faz de si mesma.

Autocompaixão: Trate-se com gentileza e respeito

Para entender como a autocompaixão funciona, pense na compaixão que você demonstra a um amigo querido que passe por um momento difícil ou que cometeu algum erro.

A simpatia, acolhimento e ternura que você pode dedicar a esse amigo é o que você deve dedicar a si mesma nos momentos difíceis. Isso requer treino, dedicação e um esforço consciente para não dar ouvidos à voz da autocrítica que, muitas vezes, nos julga cruelmente quando erramos. 

Ter autocompaixão é ser gentil e compreensiva com suas falhas, é aceitar sua condição de ser humano e, portanto, entender que você cometerá erros, assim como todo mundo. Entenda, a autocompaixão não significa fechar os olhos para suas falhas, mas, sim, reconhecer suas limitações com respeito e buscar melhorar ativamente. Julgar e criticar a si mesma não te faz alguém melhor, só te faz sofrer e se sentir insatisfeita consigo mesma.

Que tal se toda vez que você perceber que pensou mal de si mesma, você se esforçar para pensar em dois elogios em troca? Além de ser um bom treino para a autocompaixão, também te fará pensar em algumas coisas boas a respeito de si que talvez você nem tenha reparado ainda. 

Autoaceitação: Conheça a si mesma e acolha todas as suas versões

Para se aceitar você precisa primeiro conhecer a si mesma. Invista no autoconhecimento e veja todos os lados de quem você é. É importante que você entenda que cada um tem suas potencialidades e limitações, comparar-se com os outros não irá te ajudar a se aceitar. 

A aceitação não significa parar de tentar melhorar, pelo contrário, conhecer suas características te dá a oportunidade de se comprometer a melhorá-las e buscar meios de usar a seu favor as coisas que você não consegue mudar.  

O que acha de, ao invés de se comparar com pessoas que você julga superiores, você começar a se comparar com suas próprias versões passadas? Busque ser melhor do que você foi ontem, mas tudo bem se não conseguir isso o tempo todo. E lembre-se, sabe essas pessoas que você julga superiores a você? Elas também têm falhas, todos nós temos. 

Autoeficácia: Prove que você pode confiar em si mesma

A autoeficácia é a confiança que temos na nossa capacidade de atingir nossos objetivos e realizar tarefas. Ela aumenta conforme temos experiências de sucesso e diminui conforme temos experiências de fracasso ou desistência. Quando não acreditamos na nossa capacidade, muitas vezes acabamos desistindo de um plano antes mesmo de começar.

Para melhorar sua confiança em si mesma, é essencial que você tenha ações concretas que te mostrem que você é capaz. Então faça planos e tire-os do papel, arrisque-se um pouco mais. A cada dia faça algo que você se orgulhe, não precisa ser algo grandioso, só precisa ter uma constância. Com o tempo, você estará acreditando cada vez mais em si mesma. 

Vamos combinar de você encontrar ao menos uma coisa desafiadora para colocar em prática essa semana? Superar os desafios é o que irá te fazer confiar na sua capacidade. Mas não esqueça que seus objetivos precisam ser equilibrados, não podem ser impossíveis ou difíceis demais de serem atingidos, isso pode te desanimar logo no começo, mas também não podem ser facílimos a ponto de nem te dar aquela sensação boa de tarefa cumprida. Pense em algo desafiador, mas possível. 

Autocuidado: Proporcione a você pequenos momentos valiosos

Cuidar de quem a gente ama alimenta o amor, por que seria diferente com a gente mesma? Alimente seu amor por você com uma rotina de autocuidado, podem ser pequenas ações diárias com você mesma, e isso não quer dizer apenas cuidar da pele ou do cabelo, pode ser qualquer coisa, ler algumas páginas de um romance, tomar sol, meditar, escutar sua música favorita… Conforme você se conhece, você irá descobrir o que o autocuidado significa para você.

Nesses momentos, é importante que você foque no presente, desligue sua mente de preocupações e esteja ali com você, nem que seja por cinco minutos. Você verá o quanto se cuidar pode estar relacionado ao amor-próprio.

Que tal se você começar a marcar esse compromisso com você mesma todos os dias? Reserve dez minutinhos na sua agenda para fazer algo que você gosta, algo que te traga tranquilidade. 

Mantenha a constância 

A autoestima é composta por um conjunto de crenças a respeito de nós mesmas que aprendemos ao longo da nossa vida, talvez seja difícil de modificá-las, pois você pode estar lidando com crenças que aprendeu desde muito cedo na vida, então elas estão bem enraizadas, mas nada impede que você aprenda novas crenças a respeito de si, só precisa de esforço, dedicação e algum direcionamento. 

Coloque tudo isso em prática e mantenha a constância, aprendemos muito por repetição, com o passar do tempo sua autoestima começará a florescer. Mas lembre-se, se sua baixa autoestima te traz muitos prejuízos e você sente que não consegue melhorá-la sozinha, busque ajuda de um profissional.

A psicoterapia pode ajudá-la nesse processo!

 

Referências Bibliográficas:

RISO, Walter. Apaixone-se por si mesmo: o valor imprescindível da autoestima. Academia: 1ª ed., 2012.

NEFF, Kristin. Autocompaixão: pare de se torturar e deixe a insegurança para trás. Lúcida Letra: 1ª ed., 2018.

Leticia Valeria Noronha
Últimos posts por Leticia Valeria Noronha (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. Ótimo artigo!
    Gostaria de conhecer melhor essa linha TCC da Psicologia para meus transtornos de ansiedade e depressão.
    Seria possível marcar uma conversa com a psicoterapeuta? Apesar de estar em tratamento psicoterapico, me parece que seja mais adequada pra mim, a linha TCC.
    Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar