Tristeza? Como saber se é hora de procurar ajuda?

Tristeza? Como saber se é hora de procurar ajuda?

O que é mesmo tristeza?

Etimologicamente, o termo tristeza originou-se a partir do latim tristitia (estado de desânimo ou aspecto infeliz) e, como se sabe, o sentir faz parte do humano. Sendo assim, dentre os vários sentimentos que o homem é capaz de viver, existe esta emoção básica que é a tristeza.

Mas, o que é mesmo tristeza? Uma simples mudança de “humor”? Um estado mais duradouro de sentir-se “pra baixo”? Pode-se dizer que a tristeza é um sentimento que faz parte da condição humana, aonde a pessoa se identifica triste quando se percebe com uma falta de ânimo, de disposição e de alegria diante das situações e da vida.

O indivíduo pode sentir-se triste em várias situações, como por exemplo: na falta de emprego, dificuldades de relacionamento, dificuldades no trabalho, problemas familiares, dentre outros. Mas, o fato é que a tristeza pode aparecer em diferentes intensidades, podendo durar um dia, vários dias e até mesmo semanas ou meses.

É como se a pessoa não sentisse mais o mesmo “gosto” diante das situações. Claro que a falta de disposição nas atividades também ocorre quando o indivíduo sente-se triste. Deste modo, a tristeza por si só não é considerada uma doença, mas um sentimento que pode estar presente na vida das pessoas em diferentes graus de intensidade e que passará mesmo durando um período, como uma semana por exemplo.

Como posso “superar” a tristeza?

Primeiramente, é preciso deixar bem claro a singularidade de cada ser humano, ou seja, cada pessoa tem seus gostos, hábitos, recursos emocionais para vivenciar as experiências do dia-dia. Todavia, algumas alternativas podem ser utilizadas e adaptadas por cada um ao tentar lidar com a tristeza. Dentre elas pode-se citar:

  • Busca por atividades que tragam sensação de bem-estar e prazer, como: passeios, conversas com amigos, viagens, idas a salão de beleza, dentre outros.
  • Meditação, yoga, massagens de relaxamento.
  • Fazer atividades que são do gosto pessoal de cada um, como leitura de um bom livro, ginástica e fazer a faxina em casa ao som de uma boa música são alguns exemplos.
  • Conversar com amigos, parentes, namorado(a).

E a depressão como identificar?

Muitas vezes chamada de “Mal do Século”, a depressão pode ser caracterizada, de acordo com a CID 10 (Classificação Internacional de Doenças), como uma alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração associada, em geral, a uma fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo.

Ela pode vir acompanhada de:

  • Insônia,
  • Diminuição do apetite,
  • Choro intenso,
  • Dentre outros sintomas.

O indivíduo pode ainda sentir-se com baixa autoestima e diminuir a confiança em si. Para identificar e diferenciar a tristeza da depressão o que a pessoa deve perceber é se ela consegue, por si só, com seus recursos emocionais internos e com o apoio de outros, não mais sentir-se “dessa maneira”, ou seja, a pessoa consegue passar pela tristeza e voltar às suas atividades habituais.

Porém, se a angústia, o choro, a insônia, a perda de interesse “persistirem”, mesmo após tentativas de superação, é hora de procurar ajuda profissional.

Quando o indivíduo pode sentir-se deprimido?

Abaixo estão algumas situações em que o indivíduo pode sentir-se deprimido:

  • Ser vítima de bullying;
  • Ser desprezado por escolhas pessoais;
  • Sofrer violência doméstica;
  • Rejeição por amigos/familiares;
  • Fim de relacionamentos;
  • Apego excessivo;
  • Ter histórico de depressão na família;
  • Dificuldades financeiras;
  • Outros Transtornos Mentais (comorbidade);
  • Perda dos pais ou outro familiar;
  • Doenças Físicas;
  • Desemprego;
  • Dificuldades de relacionar-se com os demais.

Psicoterapia? Como ela pode me ajudar?

A Psicologia possui várias abordagens no que se refere ao atendimento clínico. Dentre elas está a Gestalt-terapia, que é uma abordagem psicoterapêutica centrada no cliente, onde, através dela, a pessoa passa por um processo de tomada de consciência (awareness), percebendo-se em suas situações e vivenciando-as no presente de uma nova maneira.

A abordagem enfatiza também a responsabilidade, a autoregulação (forma como o organismo interage com o mundo, atualiza-se) e o ajustamento criativo (“melhor maneira do indivíduo estar em contato com o mundo”). A Gestalt-terapia foi desenvolvida por Fritz Perls, Laura Perls e Paul Goodman entre as décadas de 1940 e 1950.

Trazendo para a temática apresentada acima, na psicoterapia de abordagem gestáltica, o indivíduo passa a conhecer-se melhor, entrando em contato com emoções e sentimentos, bem como com os significados que estão sendo dados por ele em suas vivências. Isto é, passa a perceber “como se sente”, “como experiencia suas questões emocionais”, “quais recursos emocionais que possui”, pois muitas vezes o indivíduo não consegue enxergar estes recursos para lidar com as mais diversas situações.

É um processo que requer um tempo que varia de pessoa para pessoa, onde é possível, através da psicoterapia, a pessoa conhecer-se mais, ampliar seus recursos emocionais e adquirir uma nova maneira de viver suas dificuldades a partir do momento em que entra em contato com suas dores, emoções e impasses com profundidade.

Para lidar com a depressão, ficam algumas dicas, que têm a ver com a abordagem da Gestalt-terapia:

  • Gerenciar pensamentos que nos afastam do momento presente, do aqui-agora;
  • Em vez de ficarmos com preocupações, que não vão “resolver”, devemos nos permitir vivenciar o momento, estando abertos a cada momento de forma receptiva;
  • Tentar tirar dos nossos discursos os “eu deveria”, “eu tinha que ter feito”, “não era pra ser assim”, que nos afastam das vivências do momento atual.
    Como o próprio Fritz Perl afirmou, o ajustamento criativo é de suma importância para lidar com a depressão, pois o indivíduo pode fluir em busca de novas habilidades, integrando-as, dando-se conta também de novas possibilidades no seu viver.
  • Para a Gestalt-terapia, depressão tem a ver com bloqueio do ciclo de contato, onde se mostra como uma experiência para o indivíduo, tendo um sentido único para cada ser. Para tanto, na psicoterapia a pessoa pode entrar em contato com suas dores e emoções, dando-se conta, passando por um processo de autoconhecimento profundo que faz desabrochar um novo olhar e até um novo viver a partir daí.
Rayssa Mazza de Castro Alencar
Últimos posts por Rayssa Mazza de Castro Alencar (exibir todos)
Deixe seu comentário aqui
Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar