Como criar os filhos para o uso equilibrado da tecnologia?

Qual o limite que separa o uso saudável do uso problemático das tecnologias digitais? Como estabelecer regras para o uso saudável das telas? O termo “telas” refere-se, basicamente, ao uso de internet, celular, videogame e TV pelos jovens. Para responder a essas questões, a Sociedade Brasileira de Pediatria criou o Manual de Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital.

De acordo com esse manual, são vários os sintomas que distinguem o uso equilibrado do uso problemático das telas. Isso vai além da quantidade de horas diárias que as crianças e os adolescentes passam acessando  a rede mundial de computadores, levando em consideração também outros sintomas de saúde física e mental.

Como ensinar as crianças o uso equilibrado da tecnologia

Crianças de 0 a 10 anos

Para prevenir o uso compulsivo das tecnologias digitais, os pediatras recomendam que os pais não permitam que crianças com idades de zero a dois anos acessem a internet, pois esta é a fase da vida onde há um maior desenvolvimento  cerebral , o que pode ser a semente para um futuro uso compulsivo das tecnologias digitais. Logo depois desta fase, os médicos sugerem que os pais limitem o uso das telas a uma hora por dia para crianças de dois a cinco anos e que não deixem seus filhos de zero a dez anos usarem a internet sozinhos para evitar acesso a conteúdos sensíveis na rede e cyberbullying.  

Adolescentes

Com relação aos adolescentes, os médicos sugerem que os jovens usem as telas por até no máximo duas horas por dia. Os pediatras alegam que este tempo é suficiente para que os jovens estudem, joguem e possam interagir através das redes sociais, equilibrando melhor as atividades virtuais e presenciais, para que possam levar uma vida mais saudável e equilibrada.   

Buscando o equilíbrio na vida adulta

Nunca é tarde para aprender a lidar de forma saudável com a tecnologia e construir hábitos que busquem o equilíbrio entre o tempo diante das telas e as horas  livres para aproveitar a vida real. Alguns movimentos sugerem formas de alcançar essa harmonia, conheça dois deles.

Movimento slow: desacelerando em busca da harmonia

O movimento slow também questiona os excessos do uso de telas não só pelos jovens mas pelos adultos. Este movimento social incentiva que as pessoas desaceleram o ritmo de vida no seu cotidiano e façam um uso mais equilibrado entre atividades virtuais e presenciais, enfatizando a importância de se preservar o meio ambiente e gerar menos lixo tecnológico. Esse movimento sugere que as pessoas façam pausas, reservando um horário na agenda para checar e-mails e redes sociais e ficar um dia no final de semana completamente desconectado da internet. Outra dica importante:  responder e-mails no tempo que for possível e não com tanta rapidez.

Esse movimento tem sugerido alguns questionamentos que podem ajudar no processo de se desconectar, tais como: quantos anos da sua vida você pretende passar jogando ou interagindo nas redes sociais? Será que esta meia hora a mais no Facebook não impedirá que você encontre aquele amigo que você não vê há tempo para uma conversa no café? Aliás, uma das máximas deste movimento social é equilibrar melhor as atividades presenciais e virtuais, pois tempo é felicidade.

Minimalismo: viver melhor com menos

Já o movimento minimalista também tem feito as pessoas repensarem a forma como usam e consomem as tecnologias digitais com o refrão: “menos é mais”. O minimalismo sugere levar uma vida mais simples e comprar apenas aquilo que é essencial, evitando assim, o consumo desenfreado de diferentes ferramentas tecnológicas e o uso mais parcimonioso da tecnologia. Esse movimento também nos faz repensar o consumo ao indagar: será que eu realmente preciso comprar um novo smartphone neste momento, enquanto o meu aparelho atual continua em bom estado? Será que o uso excessivo de tecnologia não está impedindo que eu dedique mais tempo à criação dos meus filhos?

Benefícios para todas as idades

Um aspecto que todos esses movimentos têm em comum é que eles incentivam conciliar a atividade online com a prática de esportes ao ar livre para se levar uma vida mais saudável, evitando o excesso de consumo e do uso das telas pelos jovens e seus familiares.  

Essas questões podem ser úteis para que pais possam debater o assunto no trabalho de orientação psicológica online e assim estabelecer regras familiares que ensinem todos os membros da família a lidar melhor com o uso das telas, de maneira mais saudável e empoderadora. Para acessar o Manual Saúde de Crianças e Adolescentes da Sociedade Brasileira de Pediatria clique aqui.

Uso equilibrado da tecnologia

Referências

ALBUQUERQUE-LIMA. Ana Maria. Família Conectada: prevenindo riscos e promovendo o uso seguro da internet. Disponível em: http://bit.ly/2kmN8DN Acesso em: 10 de fevereiro de 2018.

AZEVEDO, Alda; EISENSTEIN. Evelin & BERMUDEZ, Beatriz et all. Saúde de crianças e adolescentes na era digital da Sociedade Brasileira de Pediatria. Disponível em: < http://bit.ly/2x3acfK > .  Acesso em: 10 de fevereiro de 2018.

HONORE, Carl. Devagar: como um movimento social está desafiando o culto da velocidade. São Paulo: Editora Record, 2005.

JAY, Francine. Menos é Mais.  São Paulo: Editora Fantamar, 2016.

PASSARELI. Brasilina & JUNQUEIRA, Hélio. Gerações Interativas Brasil: crianças e adolescentes diante das telas. Disponível em: <http://bit.ly/2EpjXJA >.  Acesso em: 10 de fevereiro de 2018.

Ana Maria de Albuquerque

Deixe seu comentário aqui

Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar