Saúde

Vamos falar sobre suicídio? Entenda sua causas e complexidades

Os índices assustam

Você sabia que segundo a OMS a cada 40 segundos uma pessoa morre por suicídio no mundo, e a cada três segundos uma pessoa faz uma tentativa?

Você sabia que o suicídio é a terceira causa de morte de pessoas entre 15 e 35 anos?

Você sabia que são 10 tentativas para cada ato consumado?

Você sabia que são 4 tentativas NÃO conhecidas para cada 1 tentativa registrada?

Você sabia que homens cometem mais suicídio que mulheres (são 4 suicídios de pessoas do sexo masculino para cada 1 do sexo feminino)?

Você sabia que as mulheres apresentam mais tentativas de suicídio do que os homens, embora seja mais elevado o número de suicídios de pessoas do sexo masculino?

A complexidade do fenômeno

O comportamento suicida é um fenômeno complexo, universal e contínuo, existindo vários níveis e classificações, com várias formas de manifestação.

O ato suicida é um ato deliberado e realizado pelo indivíduo com a finalidade de dar cabo à própria vida, de forma consciente e intencional, ainda que, muitas vezes, denote certo grau de ambivalência do sujeito, revelando ter havido dúvidas por parte dele de ser essa a melhor saída para solução dos seus problemas.

Para o ato, são utilizados objetos que o indivíduo acredita serem letais.

Esse comportamento apresenta determinantes multifatoriais e é resultado de uma complexa interação de fatores psicológicos e biológicos, inclusive genéticos, culturais e socioambientais, não podendo ser considerado de forma simplista ou descontextualizada.

Todos esses aspectos são investigados e analisados pelo psicólogo, que faz o seu levantamento, identificando a proposta de intervenção mais apropriada para cada caso, de forma a que seja promovida a melhoria do quadro psicopatológico.

Relatórios da OMS apontam que pessoas que apresentam comportamento suicida apresentam, em regra: transtornos de humor (35,8%), transtornos relacionados ao uso de substâncias psicoativas (22,4%), transtornos de personalidade (11,6%), esquizofrenia (10,6%) e transtorno de ansiedade e somatoformes (6,1%), concluindo-se que essas patologias se relacionam aos processos envolvidos no comportamento suicida.

Por reduzir muito os sintomas e crises que levam a episódios autolesivos, o tratamento psicológico das pessoas que experimentam esses transtornos e de seus familiares é fundamental na prevenção de comportamentos suicidas com eles relacionados.

O que deve ser feito

Se você tem diagnóstico médico da presença de algum desses transtornos, é importante que além de seguir o tratamento que aquele profissional o tenha passado, marque uma consulta com um psicólogo, de forma a cuidar, por meio de psicoterapia, de eventuais comportamentos destrutivos que possa estar apresentando.

Hiderlene da Ponte Montenegro
Últimos posts por Hiderlene da Ponte Montenegro (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Muito interessante (e até assustador) os dados sobre quantas pessoas tentam o suicídio, e quantas de fato o executam. O que tem ajudado muito uma pessoa querida minha que infelizmente passa por isso (depressão), são as técnicas de barras de access, e graças a Deus ela tem progredido demais. Aqui no rio de janeiro indico a psicóloga Mônica Levy, segue o site dela se alguém tiver interesse: https://monicalevy.com.br/barras-access-rj/

    Obrigado pelo artigo!

    Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar