Vigorexia: o que é, sintomas, causas e consequências

Vigorexia

O questionário não deve ser considerado como um diagnóstico, apenas como uma orientação dos níveis dos sinais. Nesse caso, sempre é recomendado consultar um profissional capacitado para uma avaliação completa.

Em tempos atuais, em que encontramos muitas pessoas utilizando o “foco, força, fé” ou “o de hoje está pago”, com inúmeras fotos em suas redes sociais para compartilhar seus treinos diários na academia e comprovar o quanto estão empenhadas e centradas em suas conquistas, é importante entender bem o que é vigorexia.

É lógico que não podemos generalizar. É preciso analisar diversas outras ações, para encaixar alguém em um diagnóstico. Todavia, de modo geral, tal termo relaciona-se a uma disfunção da imagem corporal, na qual a pessoa se enxerga mais fraca e magra do que é, na realidade.

Com isso, ela desenvolve comportamentos a fim de conseguir ganhar cada vez mais músculos. O assunto é importante e faz parte do contexto atual. Continue a leitura e entenda melhor os sintomas, as causas e suas consequências!

O que é vigorexia

O DSM-V classifica a dismorfia muscular  ̶  termo mais técnico para a vigorexia  ̶  como uma forma de transtorno obsessivo-compulsivo. Ela é predominante no sexo masculino, apesar de atingir algumas mulheres também. Há uma obsessão em atingir um corpo perfeito, muitas vezes irreal.

Isso provoca sensações aversivas, como ansiedade e baixa autoestima, o que leva a pessoa a se engajar em comportamentos que diminuam esses sentimentos ruins e busquem conseguir o que elas mais desejam.

Essa insatisfação constante e a procura por mais ganho muscular pode, ainda, vir acompanhada de outros transtornos, como o alimentar, a ansiedade social, neuroticismo ou depressão. Dessa forma, faz-se necessária uma avaliação mais profissional para avaliar cada caso.

É importante lembrar que o resultado do questionário não é uma avaliação psicológica. Assim, apenas por esse resultado, não é possível diagnosticar um quadro de baixa autoestima.

Causas e sintomas

A causa é individual, assim, o que motiva uma pessoa a ter um transtorno pode ser diferente do que motiva a outra. Porém, não podemos deixar de mencionar o papel das mídias e dos influenciadores digitais nessa questão, que acabam sendo referências de corpos perfeitos, muitas vezes, inatingíveis.

Pode estar relacionada, ainda, a um distúrbio genético ou desequilíbrio químico no cérebro. Assim, como também, ao fato de a pessoa, por algum motivo, ao longo de sua história de vida, ter aprendido que sua aparência física tinha grande importância para que ela fosse valorizada. Já os sintomas podem ser:

  • insatisfação com o próprio corpo;
  • ansiedade;
  • baixa autoestima;
  • insônia;
  • depressão;
  • percepção irreal de si mesmo;
  • irritabilidade e cansaço;
  • lesão muscular.

Consequências e tratamento

Muitas vezes, a pessoa tem sua vida social prejudicada, pois a preocupação em atingir o corpo perfeito a impede de aproveitar momentos de relaxamento com os amigos, nos quais é comum ter um tipo de alimentação que prejudica seus objetivos.

Outra consequência possível é o indivíduo fazer ingestão de anabolizantes, que apesar de colocarem em risco sua saúde, ajudam a conquistar os objetivos de forma mais rápida. Tal conduta pode levar ao aumento da ansiedade e depressão, interferir na fertilidade masculina, além de colocar em ameaça sua vida, com maiores chances de infarto, insuficiência renal, trombose e câncer.

O tratamento acontece de acordo com o motivo que levou a pessoa a desenvolver o transtorno. Geralmente, será preciso recuperar a autoestima, trabalhar a autoaceitação e verificar a presença de outros sintomas, como ansiedade e depressão.

O acompanhamento psicológico é de extrema importância para ajudar o indivíduo a reestabelecer sua qualidade de vida. Dessa forma, agora que você entendeu o que é vigorexia, se conhecer alguém que se encaixe nesse perfil, não deixe de apoiar a pessoa.

Se restou alguma dúvida ou se você quiser acrescentar alguma experiência, coloque um comentário aqui, que poderemos trocar uma ideia!


REFERÊNCIAS:

Bezerra, Diego Fernandes, Lucas Vinicius Alves Sampaio, and Lieji Agnes dos Santos Raposo Landim. “Diagnóstico de vigorexia e dismorfia muscular em universitários da área da saúde.” Nutrición clínica y dietética hospitalaria 38.4 (2018): 179-182.

Bragança, Vanessa. “Vigorexia: A patologia do culto ao corpo.” Renefara 9.9 (2017): 319-330.

BRESSAN, MAITÊ REGINA, and CONSTANZA PUJALS. “Transtornos alimentares modernos: uma comparação entre ortorexia e vigorexia.” Revista UNINGÁ Review 23.3 (2015).

Psicologia Viva

Deixe seu comentário aqui

Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar