Os enfrentamentos que as mulheres sofrem no mercado de trabalho e como a psicologia pode ajudar!

As conquistas das mulheres no mercado de trabalho

O mercado de trabalho, majoritariamente, sempre foi ocupado por homens, as funções de genero sempre foram preestabelecidas de modo global. Enquanto os homens sempre foram tidos como sexo forte, sendo estimulados a serem ativos e buscarem sucesso profissional, as mulheres, ao contrario, eram tidas como o sexo frágil, e sua existência no mundo sempre determinada pela sua capacidade reprodutiva, além de serem limitadas aos cuidados com a casa, com os filhos, e à submissão masculina.

Essa realidade, felizmente, para as mulheres, mudou. Com o avanço da industrialização, a partir da década de 1930, o espaço para as mulheres saírem de casa e irem ao mercado de trabalho, se abriu.

O movimento feminista trouxe consigo as lutas pelos direitos das mulheres, além de formas dignas de trabalho e liberdade. As mulheres estão presentes em quase todos os setores do mercado. Porém, a luta continua.

De acordo com dados do IBGE divulgados em 2019, 65% da mão de obra geral do mercado ainda é masculina, em comparação com 45% feminina. 

Ainda segundo a mesma pesquisa, as trabalhadoras brasileiras podem receber até 20% a menos que os homens. Mesmo quando têm ensino superior e exercem a mesma função.

Somado a isso, as mulheres ainda sofrem muita pressão para darem conta das demandas sociais em torno das suas funções reprodutivas, e sexualidade, e estética. A mulher ainda é sexualizada, e suas capacidades intelectuais e força de trabalho reduzidas às questões de gênero, não sendo de muitas maneiras respeitadas em diversos ambientes, como indivíduo.

A sobrecarga emocional imposta pela cultura à mulher

Dar conta de todas as demandas externas que põe a mulher no lugar de sexo frágil, ou impedindo muitas vezes a competitividade com os homens, assim como também ter que dar conta de muitas funções que ainda lhe são atribuídas, gera uma sobrecarga emocional e um ideal de perfeição que precisa ser superado.   

A mulher não precisa apenas mostrar-se competente no que faz para ser reconhecida, ela ainda precisa lidar com questões da sua autoimagem, autoestima, e autoconceito. As exigências que giram em torno da beleza, de um padrão de comportamento moral e sexual ideal, são demandas que as mulheres precisam lidar e que fazem parte da sua construção emocional e intelectual desde sempre.

Superar todas essas barreiras e construir uma autoestima solida é um desafio que leva a mulher muitas vezes ao adoecimento e desequilíbrio.  

Elas são obrigadas a se preocupar com detalhes tão “insignificantes” para se sentirem autoconfiantes e terem seu senso de direito respeitado e alcançar o resultado profissional, que muitas vezes essas exigências as fragilizam, impedindo-as de evoluir e se desenvolver na mesma velocidade que os homens, já que estes sempre foram mais livres.

A psicologia vem dando conta de fortalecer essa mulher de diversas formas. Algumas dessas formas são:

  • Levando ao autoconhecimento tanto do seu contexto histórico, social, econômico e de  todas as exigências que lhe são impostas, 
  • Fortalecendo a autoestima, 
  • Ajudando-a a diminuir as pressões do ideal de perfeição,
  • Minimizar a culpa gerada pela dificuldade de dar conta de tantos papeis em alta performance,
  • Construir pra si o que faz sentido, respeitando suas diferenças individuais e classes de pertencimento, como biotipo, etnia, estado civil, idade, por exemplo, já que cada uma delas vai experimentar questões diferentes de vulnerabilidade ligadas às classes a que pertencem.

Uma mulher negra por exemplo, terá dificuldades de inserção profissional em vários âmbitos devido aos atravessamentos de uma cultura racista. Uma mulher que por questões genéticas, tempo e outras responsabilidades não consegue alcançar os padrões estéticos impostos vai enfrentar inseguranças de outras magnitudes.  

Lidar com todas as demandas sociais impostas à mulher desde que são inseridas na cultura é um trabalho que exige muito autoconhecimento e ferramentas para lidar com todas as pressões que serão geradas internamente.

Conseguir administrar a própria individualidade, e equilibrar-se em todos os papeis, e conquistar o direito de escolher o que quer vivenciar, vinculando-se, seja com o trabalho e com a família, com a comunidade e o lar, de forma segura, sem gerar para si adoecimento é um exercício que exige paciência e suporte de profissionais com arcabouço teórico e técnico.  

Algumas dificuldades para conciliar sua individualidade com o mercado de trabalho

Se você é mulher e vem enfrentando dificuldades para conciliar sua individualidade e o mercado de trabalho, seguem algumas dicas: 

#1 – Desenvolva habilidades de comunicar

Tanto de forma falada como escrita, comunicar-se de forma assertiva, sabendo ouvir e sabendo também colocar suas necessidades de forma clara e objetiva, permitirá você a ser melhor compreendida, criar conexão com o outro e superar barreiras e se sentir menos solitária nos seus desafios

#2 – Não se cobre tanto

Por mais que exija uma cobrança externa para que você tenha alta performance, cobrar de você perfeição apenas aumentará o nível de estresse e diminuirá a praticidade e flexibilidade.

Portanto: aprenda a cobrar-se menos 

#3 – Autoconhecimento  

O autoconhecimento vai te levar a compreender as suas habilidades, suas dificuldades e te ajudar a ter relacionamentos saudáveis, desenvolvendo sensibilidade à individualidade do outro.

#4 – Busque por ambientes que estejam alinhados com seus valores 

Estar alinhado com os valores, tanto das organizações que você faz parte quanto nos relacionamentos pessoais, irá te ajudar a se sentir confortável, acolhida e aberta para uma melhor comunicação e assertividade.

#5 – Inteligência emocional

Aprender a lidar com suas emoções, identificando o que você está sentindo, quais são suas reais ambições, objeções e as vulnerabilidades que você precisa superar, tanto no trabalho quanto na vida pessoal, vai te ajudar a continuar se atualizando e encontrando melhores posições.

#6 – Fortaleça sua autoestima  

Não importa qual a sua historia e quais os desafios você enfrentou até aqui, reconhecer-se como ser humano único de individualidades próprias vai te ajudar a se posicionar com melhor assertividade e ser reconhecida.

#7 – Peça ajuda 

Ao tentar superar as vulnerabilidades as mulheres, muitas vezes, acabam migrando para um polo onde precisa se mostrar forte, sem necessidades emocionais e práticas. Isso apenas fará com que você aumente suas dificuldades e se aliene, e não consiga dar conta de todas as demandas.

Ninguém está apto para viver sozinho sem a ajuda de outros. Pedir ajuda e assumir para si suas próprias dificuldades contando com o suporte seguro vai apenas vai te fortalecer! 

Bibliografia

  1. HOBSBAWM, E. J. A Era das Revoluções 1789-1848. 18 ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2004. 
  2. Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil liv101681_informativo.pdf (ibge.gov.br) 
  3. O racismo em três séculos de escravidão   O racismo em três séculos de escravidão | Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (fiocruz.br)
  4. FARHAT, D. G. K. M. As Diferentes Concepções de Corpo ao Longo da História e nos Dias Atuais e a Influência da Mídia nos Modelos de Corpo de Hoje. 2008. Dissertação (Trabalho de Conclusão de Curso em Educação Física) – Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, Rio Claro. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/118970>. Acesso em: 24, jun. 2018.
Valéria Sousa Cardoso Corre
Últimos posts por Valéria Sousa Cardoso Corre (exibir todos)

Deixe seu comentário aqui

Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar