O que é dependência emocional e como tratar?

dependência emocional
O que é dependência emocional e como tratar?

Para você tomar as suas decisões, você sempre aguarda a decisão do companheiro? Ou ainda: sente que para ser feliz depende da felicidade do outro? Talvez você esteja sofrendo de dependência emocional.

Muito mais comum do que imaginam, sair desse estado não é é algo simples de enfrentar, mas esse desafio pode trazer relacionamentos mais saudáveis e estáveis.

Veja como você pode ter uma vida melhor com as dicas a seguir!

O que é dependência emocional?

Esse é um estado psicológico que ocorre nas relações pessoais. Inclusive, engana-se quem pensa que ela atinge apenas relacionamentos amorosos; a dependência emocional pode estar presente em um relacionamento de família ou até com amigos. 

“Ela faz com que sentimos uma necessidade insaciável de estar com aquela pessoa e não conseguimos romper laços. Pode fazer com que dependemos de opiniões externas para decidir sobre situações cotidianas”, explica Thalita Cristina dos Santos, psicóloga da Psicologia Viva.

De acordo com a profissional, ela pode se apresentar tanto em homens quanto mulheres, porém, é mais comum acometer mulheres.  

“Se levarmos em consideração a teoria do apego, desde que nascemos aprendemos a ser apegar a ‘alguém’ e no decorrer da nossa vida esse apego se ocorrer de forma disfuncional pode virar uma dependência”, esclarece.

Quais as maiores causas?

Você sabia que, muitas vezes, a causa da dependência emocional pode vir na infância? Isso pode ocorrer em razão de um vínculo mal formado; a figura de apego traz prejuízos nos relacionamentos e tal situação faz com que o indivíduo procure em seu parceiro um amor e afeto que faltou quando criança.

Mas há também outras explicações! O medo de perder ou a ansiedade de separação podem fazer com que a pessoa se fixe num amor dependente. 

“Acredita-se  que uma experiência de vida negativa somada à vulnerabilidade social com o aumento da ansiedade seriam um dos fatores, além de casos de filhos superprotegidos por seus genitores”, explica.

A profissional ainda salienta que estudam mostram que um indivíduo com o apego ambivalente pode desenvolver um amor dependente, marcado pelo medo de ficar sozinho, mesmo que esse relacionamento seja prejudicial.

Essa ambivalência de sentimentos originado na primeira infância é caracterizada pela criança que cresceu com esse apego inseguro e não consegue se distanciar de uma relação mesmo ela sendo insatisfatória. 

Quais os principais sintomas?

Veja a lista dos principais sintomas da dependência emocional:

    • Dependência do outro, 
    • Necessidade de cuidado excessivo,
    • Medo em ser abandonado,
    • Submissão em diversas situações,
    • Falta de autoconfiança,
    • Baixa autoestima e sentimento de inferioridade em qualquer atividade,
    • Dificuldades em tomar decisões cotidianas;
    • Dificuldades em manifestar desacordo com outros devido a medo de perder apoio ou aprovação;
    • Dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas por conta própria;
    • Vai a extremos para obter carinho e apoio de outros;
    • Sente-se desconfortável ou desamparado quando sozinho devido a temores exagerados de ser incapaz de cuidar de si mesmo.

“Uma pessoa dependente emocionalmente tende a assumir uma posição submissa, podendo ignorar suas próprias necessidades a fim de satisfazer o outro, podendo também aceitar desprezo e humilhação”, explica a profissional.

Ela ainda explica que a dependência emocional também pode ser caracterizada por outros comportamentos, como  possessão e ciúmes excessivos, em relacionamentos amorosos, fazendo com que o indivíduo dependente se torne uma pessoa tóxica em seus relacionamentos, por sempre querer atenção, de forma disfuncional. 

Como tratar?

Dra. Thalita Cristina dos Santos explica que muitas pessoas não enxergam a dependência emocional como algo sério, porém, esses comportamentos são determinantes para a independência do sujeito. 

Dessa forma, a terapia é fundamental para auxiliar que o indivíduo tenha mais autocontrole, entenda a causa, melhore a autoestima, autoconfiança e o  autorrespeito. 

“A prevenção vem do autocuidado, do se amar, do trabalhar a independência emocional. Lembrando que a independência não quer dizer que não irá relacionar com mais ninguém. Mas uma relação saudável. Somos seres humanos, relacionamentos fazem parte da nossa vida”.

Conte com a Psicologia Viva para te auxiliar nesse processo, clicando aqui.

Fonte
Thalita Cristina dos Santos, psicóloga da Psicologia Viva. A profissional é especialista em acompanhamento pessoal, conflitos amorosos, estresse, medos e fobias, entre outros temas.
A dra. possui pós-graduação em Terapia Cognitivo-Comportamental e fez diferentes cursos, como “O manejo psicológico diante do luto” e “Introdução ao manejo Clínico da Ansiedade”.

Para marcar uma consulta, acesse: https://perfil.psicologiaviva.com.br/thalitacristina

Deixe seu comentário aqui
Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar