DestaquePsicologia do trabalho

Psicologia comportamental: Contribuições do behaviorismo para a gestão de empresas

O que é Behaviorismo?

O Behaviorismo (traduzido para o português: comportamento) é uma filosofia da análise comportamental. John Watson (1878-1958) foi o criador dessa filosofia, que surgiu em contraposição à Psicologia Mentalista no início do século XX. Watson procurou compreender o ser humano a partir da relação entre estímulos e resposta (BEHAVIORISMO, 2022).  

A partir dos pressupostos de Watson, Burrhus Frederic Skinner aprimorou a teoria e denominou-a de Behaviorismo Radical. Nesse sentido, o comportamento pode ser definido a partir da relação entre o organismo e ambiente, sendo que a interação ocorre de maneira dinâmica. Para tanto, é necessário avaliar o indivíduo a partir das características filogenéticas (história evolutiva do ser humano), ontogenética (história singular) e culturais (Skinner, 1984 apud Franceschini, 2009). Para a autora, no contexto organizacional, os analistas do comportamento buscam estudar o comportamento organizacional. 

Segundo Robbins (2002), o comportamento organizacional refere-se a uma área de estudos que estuda o efeito que os indivíduos, grupos e a estrutura têm dentro da organização a fim de utilizar tal conhecimento para aperfeiçoar a organização.

Algumas contribuições da Análise do Comportamento para a gestão de pessoas

A seguir, serão descritas algumas contribuições da Análise do Comportamento para a gestão de pessoas a partir dos estudos de Franceschini (2009).  

Seleção de pessoas:

O psicólogo organizacional poderá, durante o processo de seleção de pessoas, realizar um levantamento da história do indivíduo e caracterizar o histórico de reforçamentos. Vale ressaltar que o ato de reforçar é aumentar a probabilidade de um determinado comportamento ocorrer, seja inserindo estímulos ou extinguindo-os.  

Auxiliar no planejamento das condições físicas da organização e contingências que controlam o trabalho:

O analista do comportamento pode ajudar na elaboração das estruturas hierárquicas, planos de carreira e remunerações a partir do cargo de cada indivíduo.  

Considerar a cultura do trabalhador com o grupo social:

Verifica-se a necessidade de compreender a cultura de cada organização para estabelecer as estratégias que poderão ser realizadas para alterar ambientes e comportamentos desadaptativos.  

Evitar o absenteísmo e rotatividade:

É importante considerar que as variáveis que controlam o comportamento do indivíduo não são somente monetárias. Assim sendo, torna-se necessário verificar outros elementos que possam melhorar a relação do trabalhador com a organização, tais como: quais os motivos que fazem com que o indivíduo goste do seu trabalho, como o clima organizacional influencia na ocorrência de comportamentos ajustados ao contexto da organização.  

De modo geral, conclui-se que a ciência psicológica pode contribuir de maneira significativa no ambiente organizacional para melhoria do bem-estar dos trabalhadores e consequente aumento da produtividade.

Referências

  1. Behaviorismo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2022. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/psicoeduc/o-behaviorismo/c2.htm>. Acesso em: 24 de Abr. de 2022. 
  2. Franceschini, Ana. Psicologia Organizacional e a Análise do Comportamento. TransFormações em Psicologia, 2009, Vol. 2, nº 2, 114-125.  
  3. Robbins, Stephen. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. Tradução técnica Reynaldo Cavalheiro Marcondes. 14. ed São Paulo : Pearson Prentice Hall, 2002.  
Karem Nacostielle Eufrasio
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar