Desenvolvimento pessoal

O autocuidado na era da produtividade: descubra como desenvolvê-lo!

O autocuidado na era da produtividade: descubra como desenvolvê-lo!

Atualmente somos cercados por um apelo constante por produtividade que vem por várias fontes às quais estamos expostos e em várias áreas da vida, áreas como trabalho, estudo, vida pessoal. 

Os apelos do mundo externo e o autocuidado

Mas diante de todos os apelos feitos pelo mundo, onde nos encontramos no meio deles? Somos solicitados a produzir diversas coisas para outros e por outros, e isso pode facilmente nos levar a esquecermos de olharmos para nós mesmos e realizarmos o tão necessário autocuidado. 

Dhein (2016), quando explora o horizonte do qual Heidegger chamava de “era da técnica”, afirma que os indivíduos acabam se movimentando nessa realidade social, a qual era vivenciada na época, expressando a busca por um funcionalismo incessante que era tão almejado, e como consequência, a busca constante por satisfação, necessidades de acúmulo, produtividade, êxito e controle. 

Tais características desse panorama social podem causar uma restrição no âmbito individual, no sentido de reter o foco constante nessas características, despindo outras atividades, que não tenham elas como finalidade, de sentido. 

O que é autocuidado?

O autocuidado, segundo Sousa, Ribeiro e Santos (2018), consiste na dimensão do cuidado que volta o olhar para si, não excluindo, é claro, o cuidado e preocupação pelo outro e pelo mundo que nos cerca

O cuidar propicia uma vitalidade existencial por ser uma condição que se dá e que afeta nossas relações (com nós mesmos ou com o que é externo a nós).

Não há uma receita para o autocuidado, já que é algo que é construído de maneiras diversas e individuais, podendo até tomar forma de atividades que não necessariamente se voltam única e exclusivamente para a pessoa que o pratica, mas que também são consideradas uma forma de autocuidado.

Por serem algo tão único e variável, essas ações de autocuidado merecem um olhar cuidadoso de nossa parte para compreendermos o que é cuidar de nós mesmos e como esse cuidado se dá. Seria na forma de um exercício? De uma comida cuidadosamente preparada? Degustar um café sentado em uma padaria entre o ir e vir cotidiano? 

São perguntas simples e que só aos poucos nós vamos descobrindo as respostas, seja com a sensação que elas nos trazem ou simplesmente com a experiência de tentativas, que podem ser frustradas ou não. 

Da mesma forma que cada um descobre o que o caracteriza como cuidado, também tem que atentar para a descoberta de introduzir tais formas de cuidado de uma maneira que elas não se tornem mais uma obrigação diária, como é apontado pelo artigo do site Newton Paiva. “Cada pessoa constrói seu próprio caminho de cura, não de maneira estática, mas na reinvenção de si mesmo.” (HEIDEGGER, 2005 apud SOUSA; RIBEIRO; SANTOS, 2018).

Por que a terapia pode ser considerada uma forma de autocuidado?

O espaço terapêutico é um espaço exclusivo do cliente. É um espaço de fala e de escuta sem julgamentos, possibilitando que o próprio sofrer do cliente encontre seu espaço e seu lugar. Dar ouvidos ao próprio sofrimento e acolhê-lo como algo que faz parte de si é uma forma de cuidar-se e dar voz a algo que às vezes tem seu espaço muito reduzido nas nossas vidas cotidianas, seja por falta de tempo ou de liberdade para fazê-lo. 

Às vezes as angústias são carregadas por muito tempo sem receberem um olhar, e se propor a dedicar um tempo para olhar para elas e falar sobre elas pode ser muito enriquecedor para a saúde psicológica. Camasmie e Sá (2012) apontam que a psicoterapia aparece como espaço de cuidado justamente por oferecer uma quebra dos modos de convívio cotidiano, onde a pessoa que procura um psicoterapeuta tenta quebrar a inércia que faz parte do modo como comumente são olhadas as dores existenciais. 

A psicoterapia, portanto, busca promover espaço para a abertura de modos outros que possam transformar tais espaços de convivência voltados à existência.

E agora? Como introduzir o autocuidado na rotina?

Como dito lá em cima, não existe uma receita de bolo que funcione da mesma maneira para todos, mas é importante ter em mente que é necessário respeitar o tempo individual, assim como as possibilidades de cada um. 

Nem todos podem correr durante uma hora ao dia e talvez tentar introduzir uma corrida de uma hora sem a real vontade de fazê-la significa frustrar-se logo no começo do processo, vendo que não foi possível realizar mais uma atividade adicionada à lista de afazeres diários. 

Respeitar os horários, condições próprias e o sentido que aquilo tem para quem está realizando são essenciais para que se mantenha uma rotina mais leve e mais fácil de se seguir. 

E tirar o caráter de obrigatoriedade das ações que se gostaria de fazer possibilita olhar para a atividade não como algo que tem que ser feito, mas algo que se quer realizar.  

 

Referências:

Dhein, C. F. A. . Existências enclausuradas à automatização da era da técnica: Uma interpretação fenomenológico-hermenêutica das compulsões na contemporaneidade. In: Feijoo, Ana Maria Lopez Calvo; Lessa, Maria Bernadete Medeiros Fernandes. (Org.). Psicopatologia: Fenomenologia, lteratura e Hermenêutica.. 1ed.Rio de Janeiro: Edições IFEN, 2016, v. 1, p. 171-206.

Sousa, C. M. M.; Ribeiro, M. S. S.; Santos T. L. S. (2018). Experiência de autocuidado nos processos formativos. Linhas Críticas, 24.

Camasmie, A. T.; Sá, R. N. Reflexões fenomenológico-existenciais para a clínica psicológica em grupo. Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 12, núm. 3, 2012, pp. 952-972

Como o auto cuidado pode ajudar a ter mais produtividade no trabalho? https://www.newtonpaiva.br/deolhonasuacarreira/como-o-autocuidado-pode-ajudar-a-ter-mais-produtividade-no-trabalho

Marina Benez Padilha Benez Padilha

Oi, bem-vindo ao meu perfil! Me chamo Marina, sou psicóloga e atendo na abordagem fenomenológica-existencial. Nome estranho, né? Mas essa abordagem nos fala que o homem possui uma maneira única de existir em sua relação com os outros e com o mundo, e que essa existência em si traz suas angústias próprias, e é aí que o psicólogo entra! Estou aqui para oferecer minha escuta e acolhimento frente às angústias que possa estar sentindo, para que tenha o apoio necessário para que possa abraça-las e cuidar delas da melhor forma e jeito que puder. Sinta-se livre para tirar qualquer dúvida ou marcar uma consulta inicial!
Marina Benez Padilha Benez Padilha

Últimos posts por Marina Benez Padilha Benez Padilha (exibir todos)

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar