Desenvolvimento pessoal

“Novo ano, novo eu”: 7 conselhos de especialistas para se reconstruir no mundo pós-pandemia

O final de 2021 se aproxima e com ele, todas as nossas resoluções de Ano Novo, bem como, possivelmente, o fim desses 2 anos de pandemia. Embora haja muitas precauções sanitárias a serem tomadas no próximo ano que demanda atenção, o processo de voltar ao “normal” não é uma questão de menor importância, e pode facilmente causar ansiedade ou estresse para muitos. 

Portanto, aqui estão 7 dicas de especialistas para criar novos hábitos e voltar gradualmente a uma rotina “pós-covid”, para que a realidade pós-pandêmica não nos pegue desprevenidos.

Um fim de ano diferente

Como estamos a apenas alguns dias do início de 2022, parece ser o momento perfeito para reavaliar tudo o que aconteceu este ano. Mas também para imaginar e planejar tudo o que vamos experimentar nos próximos 365 dias. Talvez seja um grande fardo, não é?

A verdade é que nossas resoluções podem se tornar fonte de um grande desconforto emocional. É assim que Montserrat González, psicólogo e psicoterapeuta, explica: “o início de um ano traz uma carga de emoções. Depois de um ano tão atípico como o que vivemos, essas emoções podem nos provocar a querer fazer muito ao mesmo tempo”.

E o fato é que este segundo ano de pandemia não deixa de acrescentar razões que podem nos fazer duvidar e questionar muitas das coisas que se tornaram o “novo normal”.

“As mudanças nas relações, o aprofundamento da virtualidade, o isolamento e outras questões que causaram mudanças sócio-culturais com a pandemia do coronavírus podem sufocar aqueles que se sentiram bem com esta etapa. Mas também podem fazer com que aqueles que acharam o confinamento intolerável saiam para o mundo de uma forma inoportuna”, explica Ezequiel Aducci, psicólogo pela Universidade de Buenos Aires.

7 hábitos para cultivar na era pós-pandemia

1. Reconheça que há coisas que estão além de seu controle

Montserrat González sugere que o primeiro passo é tomar o tempo necessário para reconhecer o que sentimos. “Isto envolve diferenciar o que você pode resolver e o que depende de você daquilo que não depende de você.

2. Reencontre o mundo

“Você precisa ser capaz de sair ao mundo para apreciá-lo. Junte-se com outros para compartilhar momentos, sensações e emoções”, recomenda Aducci, para que a reintegração não seja tão chocante.

“Sugiro restabelecer os laços e fortalecer aqueles que permanecem intactos a fim de ter uma rede emocional saudável”, acrescenta.

3. Aceite o que você está sentindo e seu próprio ritmo

A realidade pós-pandêmica é por si só uma situação ainda muito nova para muitos, portanto não há uma maneira padronizada de lidar com ela. Dito isto, o tempo necessário para se sentir seguro ou confortável é inteiramente pessoal e, nessa situação, não existe certo e errado. Não coloque pressão sobre si mesmo.

4. Aprenda a ouvir a si mesmo

Se, por um lado, no ano que vem tem início um processo de voltar ao “normal”, por outro isso pode desencadear desconforto emocional em algumas pessoas, que pode se manifestar de várias maneiras. É por isso que é importante parar e prestar atenção ao que nosso corpo está nos dizendo.

“Isto é, muitas vezes nosso corpo ou a própria rotina fala conosco, com sinais como insônia, alimentação compulsiva, fadiga ou irritabilidade, para citar alguns”, explica o psicólogo Gonzalez.

Para ele, “é fundamental lembrar que as emoções não vêm com um botão de ligar/desligar, mas podem nos permitir observar a nós mesmos”, acrescenta.

5. Crie seu próprio “normal”

Só porque nos acostumamos a um mundo com o covid, não significa que será fácil sair dessa realidade. Portanto, quando a mudança parece esmagadora e confusa, é bom se agarrar a algo que ofereça estabilidade.

“Uma dica que pode ajudá-lo a colocar sua vida novamente nos eixos é entrar em uma rotina. Dar a si mesmo um tempo de qualidade para se dedicar a um hobby ou desfrutar de coisas pequenas dentro dessa rotina. Passar tempo ao ar livre também pode ser útil”, recomenda Montserrat González.

6. Reúna-se com aqueles que o ajudam a se sentir em paz

A pandemia ainda não acabou e devemos continuar a ser cautelosos. Contudo, agora temos mais liberdade para nos movimentarmos e nos reunirmos. Nesse cenário, a reconexão com os entes queridos será um pilar fundamental. 

Isto pode ser feito tanto pessoalmente quanto on-line. Portanto, se ainda não for possível vê-los pessoalmente, tente encontrar a oportunidade de ver um ao outro e conectar-se de outras maneiras.

7. Procure ajuda profissional

Em geral, “viver em um estado constante de incerteza pode gerar diferentes tipos de desconforto, tais como medo, estresse, ansiedade ou sentimentos de insegurança. Eles podem ampliar os aspectos mais negativos de nossa percepção do mundo, o que, por sua vez, pode nos fazer ficar mais fora de controle”, explica o psicólogo González.

Portanto, se você detectar alguns sinais de alerta como “falta de sono, sensação de falta de ar ou necessidade incontrolável de chorar, sugiro que procure ajuda profissional, pois isso lhe permitirá ter apoio enquanto você passa por este processo”, conclui o especialista.

Psicologia Viva
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar