Saúde

Quem não é um pouco ansioso nos dias de hoje? Entenda mais sobre isso

Afinal, quem não é um pouco ansioso nos dias de hoje?

Hoje em dia quem não é um pouco Ansioso? Todos nós! Em tempos da internet, tudo se torna imediatista, não há espaço para o tempo da espera, da construção.

As “cobranças” da vida são uma das grandes causas da Ansiedade. Atualmente, não há lugar para o fracasso, para o erro, fragilidades, incertezas, faltas, não podemos admitir dúvidas, medo, tristeza, o não saber. 

Toda essa cobrança e exigência tem provocado muita Ansiedade, pois sempre falta alguma coisa, a gente se sente em falta, em dívida, em déficit, parece que ainda não alcançamos o sucesso ou a felicidade.

Os sintomas da Ansiedade

Os principais sintomas da Ansiedade são:

  • Angústia (sofrimento psíquico);
  • Distúrbio do sono (insônia);
  • Distúrbio alimentar (falta ou excesso de apetite);
  • Dificuldade de concentração;
  • Disfunção erétil (ejaculação precoce ou impotência);
  • Redução da libido;
  • Desarranjo intestinal;
  • Queda de cabelo;
  • Dificuldade de relaxar/tensão muscular;
  • Náusea;
  • entre outros.

A Ansiedade acentuada pode trazer muitos transtornos para a vida de uma pessoa, tais como dificuldade de concentração, que pode levar a prejuízos no trabalho ou nos estudos.

A insônia também afeta a produtividade, a sensação constante de cansaço, indisposição, isolamento social. A inibição da libido atrapalha muitos casamentos.

Enfim, existe uma série de dificuldades associadas à Ansiedade acentuada.

É possível controlar a Ansiedade acentuada sem medicação?

Sim, a psicoterapia pode ajudar na redução ou controle dos Sintomas da Ansiedade, mesmo sem o uso de medicação!

Na psicoterapia, vamos compreendendo juntos o que tem deixado a pessoa tão ansiosa, falamos sobre os sintomas, como se sente, quais são seus medos e preocupações. 

Trata-se de um espaço sem julgamento em que a pessoa pode sentir-se à vontade para falar sobre esses conflitos, incertezas, medos, angústias, “fraquezas”, raiva, culpa, enfim, das dificuldades que encontra no seu dia a dia. 

E ao longo desse processo os sintomas tendem a ir “cedendo”, até não mais incomodar o paciente, mesmo sem o uso da medicação.

Portanto, sim, podemos considerar que houve a “cura” desses sintomas. Bem como a angústia e o desconforto psíquico foram acolhidos e cuidados ao longo do processo de análise. Eu até consideraria a psicoterapia bastante eficaz no tratamento da Ansiedade!

No entanto, cada caso deve ser cuidadosamente avaliado pelo profissional, podendo haver situações em que o uso da medicação seja importante. Tudo isso é discutido com o próprio paciente, se ainda assim, não for da sua vontade, ele não será obrigado a aderir à terapia medicamentosa.

Como a Psicoterapia pode ajudar no tratamento da Síndrome do Pânico?

Durante os atendimentos, a dor e o sofrimento do paciente são acolhidos. E um dos temas mais importantes que têm aparecido na clínica, é a sensação de estar sempre em débito, sempre falta alguma coisa.

Pode ser uma promoção no trabalho, uma casa ou um carro, o inglês que não é fluente, a pós-graduação que eu já devia ter terminado, a caixa lotada de e-mails para responder, o relatório que prometi pro chefe, o passeio do fim de semana das crianças… ufa!

É comum ouvir algo do tipo: “depois daquela promoção no trabalho, não me faltará mais nada e aí sim, serei feliz”, “depois que eu comprar aquele carro, estarei satisfeito”, “depois que eu comprar minha casa, terei vencido”, “preciso vencer, não posso fracassar! O que vão pensar de mim?“, mas esse dia nunca chega, ao contrário, parece cada vez mais distante.

Na psicoterapia o paciente tem oportunidade de entrar em contato mais profundamente com todas essas cobranças, com sua própria história, seu modo de lidar com as dificuldades, com a frustração e decepção, com a raiva, como se relaciona com as pessoas, com as expectativas dos outros, com suas próprias expectativas, a maneira que faz escolhas, como chegou nas suas conquistas e fracassos, enfim, o modo como tem vivido suas experiências.

Esses são alguns dos temas discutidos e a partir de questionamentos e reflexões, o paciente vai ganhando maior compreensão de si e do mundo ao seu redor, e assim pode gerenciar melhor todas essas dificuldades que o levou a buscar terapia.

Ao gerenciar melhor suas dificuldades, a pessoa se sente mais capacitada a construir uma vida mais saudável e satisfatória para si mesma naquilo que se aproxima de suas realizações pessoais desejadas.

Érica Otsubo Otsubo
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar