Desenvolvimento pessoal

Crise existencial

A crise existencial é o momento crucial em que o ser humano busca um verdadeiro sentido para a vida.

As crises existenciais são momentos confusos e de alta ansiedade quando uma pessoa está em busca de resposta para esta pergunta: Quem sou eu? 

O conceito de crise existencial é derivado de Erikson (1970) que se referiu a ela como uma crise de identidade.  Um tipo de crise existencial que provavelmente ocorrerá no início da vida, na vida adulta e na meia-idade, começando na adolescência chamada crise de identidade e medo do futuro.

A crise existencial está associada à depressão significativa, uma sensação de inutilidade, dúvidas constantes na fidelidade da escolha feita ou das decisões tomadas, arrependimento em reconhecimento, infidelidade de atos passados, decepções, o desejo de preencher de alguma forma a falta de sentido da vida.

As crises existenciais são diferentes em cada faixa etária

A versão adulta de uma crise existencial geralmente começa em meados dos 20 anos. A crise existencial adulta também busca soluções para questões de identidade, mas as questões são mais complexas.

Crises existenciais da meia-idade lidam com questões relacionadas à mortalidade, legado e realizações. Em suma, uma crise existencial pode ser diferente para pessoas em diferentes estágios de desenvolvimento e diferentes faixas etárias. 

Questões existenciais também existem dentro de uma sociedade; uma crise existencial é um subproduto internalizado de problemas sociais. Se várias pessoas em uma sociedade não resolverem sua crise existencial, pode haver implicações sociais. 

As soluções propostas para resolver as crises existenciais dependem, portanto, de múltiplos fatores. 

Crise da meia-idade

Especificamente, a crise existencial da meia-idade envolve pensamentos de moralidade, legado e realizações. Em termos de moralidade, os indivíduos podem pensar em erros do passado e se esforçar para encontrar uma maneira de consertar as coisas enquanto ainda têm tempo. As pessoas que lidam com os aspectos de legado e conquista da crise existencial da meia idade querem saber se teve um impacto positivo em sua carreira, família ou no mundo em geral. 

Eles querem deixar um legado influente para trás e conseguir tudo o que puderem antes que seja tarde demais. Se eles não resolveram totalmente os problemas da crise existencial da adolescência ou do adulto, eles terão mais dificuldade para resolver o aspecto da conquista. Antes que a crise existencial da meia idade seja resolvida, aqueles que sofrem ficarão ansiosos por pensar em como poderiam ter feito as coisas de maneira diferente, ou ficarão deprimidos por pensar que não há maneira de resolver a crise antes de morrer.

Para resolver uma crise existencial, todos precisam chegar às suas próprias conclusões, embora devam reconhecer que a ajuda de outras pessoas é benéfica. É preciso aprender a ouvir e compreender as perspectivas externas sobre os diferentes aspectos de sua crise existencial.

Insatisfação consigo mesmo

A baixa autoestima pode prejudicar as ideias de uma pessoa sobre o seu não cumprimento do nível desejado, que pode ser expressa em uma visão negativa de sua própria aparência.

Insatisfação com o seu presente:

Personifica a rejeição emocional, rejeição e insatisfação com a situação atual em várias áreas da vida, por exemplo, no campo das relações íntimas e pessoais, atividade de trabalho, renda financeira.

Solidão:

Representa um sentimento de isolamento social

Insegurança:

Personifica uma sensação de vulnerabilidade e indefesa, muitas vezes devido à falta de confiança em um ombro confiável próximo, ou seja, suporte social insatisfatório.

Desespero:

Reflete um monte de sensações sombrias que invariavelmente acompanham a crise existencial. Uma sensação avassaladora de desesperança e especialmente em situações de fracasso; angústia mental intolerável causada por decepções, frequentes medos.

Culpa:

Remorso e sentimento de culpa para com os outros e para se mesmo, que apareceu após os erros e chances perdidas.

Busque o autoconhecimento

A existência humana não é reduzida apenas para atender às necessidades biológicas. Temos habilidades de pensar, que nos permite tomar decisões de forma consciente e responsável. Avalie a si mesmo e os eventos que estão ocorrendo, determine significados, concentre-se nos seus objetivos. As dificuldades em perceber a liberdade na vida podem ser acompanhadas por uma crise existencial. 

O ponto central é a questão da liberdade, que serve uma parte integrante da existência, no entanto, traz sérias dificuldades, pois requer responsabilidade e coragem, pois a capacidade de escolher o que fazer, quem ser, como existir, o que pensar, pode trazer sofrimento por sua proximidade e não por direitos,

Mas, para responsabilidades, liberdade de escolha, ação, opinião, o que entra em conflito com a necessidade de ser responsável pela liberdade individual.

Existem motivações fundamentais ou existenciais inerentes a cada pessoa

  1. O desejo de se expressa ativamente;
  2. O desejo de aproveitar a vida e sentir seu valor,
  3. Desejo de determinar o significado de sua existência, permitindo o planejamento futuro.

Participe de atividades conjuntas e esteja aberto ao mundo como um todo.

“ A disponibilidade de respostas a perguntas básicas da existência humana é a pedra angular para uma plena, realizada, consciente, vida humana realizada.”

A ideia-chave da psicologia existencial

A trajetória de vida de uma pessoa é única e determinada pela própria pessoa.

Compreensão e autoaceitação é fato de você ser responsável por seu ser para a existência de si mesmo como pessoa.

Conforme avançamos no caminho da vida ganhamos experiência e acumulamos conhecimentos sobre o mundo e sobre si mesmos, o que suscita reflexões sobre o sentido da vida, seu valor e objetivos. 

Isabela Rocha

___________________________________

Abra sua mente para novas possibilidades, seja uma nova versão de si mesmo.

Quando sou ouvido, torno-me capaz de rever o meu mundo e continuar (Carl Rogers). Atuando na abordagem Humanista, valorizando o ser humano como todo. A crise existencial pode existir em qualquer fase da vida, a busca da identidade e sua essência em você enquanto indivíduo. Através de reflexões e questionamentos de experiências subjetivas buscaremos os traços positivos  e potenciais que estão intrínsecos e inconscientes. Enquanto não aceitarmos como somos não podemos mudar. Partindo de um ponto dentro de sua demanda que seja ansiedade, depressão, fobias, perda, separação, relacionamentos afetivos ou interpessoais, etc., estou à disposição para lhe ajudar.

Agende sua consulta a qualquer hora, com sigilo e segurança através da plataforma. www.psicologiaviva.com/isabelarocha/

Isabela Rocha

Psicóloga Clínica

04/54254 – CRP – 4º Região
Belo Horizonte – MG

CONVERSE COM ISABELA

Referências

Andrews, M. (2016). A crise existencial. Behavioral Development Bulletin, 21 (1), 104-109. http://dx.doi.org/10.1037/bdb0000014

Bezerra, L. C., & Ribeiro, D. I. (2021). A Crise como Impulso para a Ressignificação Existencial: Uma Revisão Integrativa / The Crisis as Impulse for the Existential Resignification: An Integrative Review. ID on line. Revista de psicologia, 15(54), .

Isabela Rocha
Últimos posts por Isabela Rocha (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar