Desenvolvimento pessoal

A importância da representatividade negra na construção da carreira profissional dos jovens negros

Sobre a representatividade

Ouvimos tanto sobre representatividade atualmente, mas o que é isso? Segundo o dicionário online Priberam é a qualidade reconhecida a uma pessoa, a um grupo, a uma entidade ou a um organismo, mandatado oficialmente por um grupo de pessoas para defender ou representar os seus interesses ou exprimir-se em seu nome.

A representatividade é um termo amplo, que abrange diferentes aspectos, porém neste caso pode ser entendida dentro de um viés de empoderamento, isto é, fazendo com que o individuo se torne presente, tendo visibilidade no desenvolvimento de papeis de alto valor social (SAMPAIO, 2017). 

É importante falar de representatividade, pois é assim que as crianças têm um exemplo para se espelhar. Isso deve ocorrer desde cedo nas escolas. Mas como trazer a representatividade no âmbito escolar? Isso pode acontecer ao ter brinquedos, livros abrangendo todos os tons variados de pele, vai ajudar as crianças a se identificarem. Assim sendo, ela vai construindo a sua autoestima desde cedo.

Já parou para pensar sobre o quando você se sentiu preto? Ouvi essa pergunta em um evento sobre carreiras negras e isso ecoou por muitos dias no meu pensamento e me fez questionar quando isso ocorreu, trazendo reflexões acerca do quanto você se sente diferente ao se deparar com alguma boneca ou um comercial.

Em algum momento você já viu algum comercial ou brinquedo e não se viu nele? É aí que a representatividade atua, mostra que não existe uma única tonalidade de pele, único formato de corpo, uma única textura de cabelo. Ela chega para dizer que somos diferentes e devemos celebrar essas diferenças.

Representatividade na mídia 

A visibilidade da população negra se passa de uma forma marginalizada, seguindo estereótipos, fazendo ligações com o crime organizado. Dessa forma a imagem marginalizada que carregamos ate hoje é decorrente de um longo período sendo exibidos a margem da sociedade, mesmo sendo um país com a população em sua maioria negra.

Se pensarmos em alguns anos atrás as profissões em que os negros representavam nas novelas, comerciais, propagandas impressas, eram escassas e quando eram representados era em algum papel secundário ou como mordomo, garçom, empregada domestica, dentre tantas outras profissões que merecem todo o nosso respeito, mas passando a sensação de que não conseguiríamos chegar aos cargos de chefia ou desempenhar algum papel principal.

As mudanças vêm ocorrendo aos poucos, agora estamos aparecendo mais em comerciais, capas de revistas, começamos a ter papeis de destaque nas novelas. O marketing esta cada vez mais se utilizando de pessoas negras em suas propagandas gerando assim visibilidade e pluralidade em suas campanhas.

Já nos dias atuais isso vem mudando aos poucos, ainda sofrendo muito preconceito por usar pessoas que diferem do padrão que durante muitos anos era e foi o único, contudo existe um publico que não se identificava com esses anúncios e agora se identifica e se vê representado ao assisti-los. 

Construção da identidade

Como a identidade não é algo que nasce com cada um, ela é o resultado da relação que você desenvolve com o outro e com o mundo e por isso ela esta em frequente transformação. Somos atraídos por fatos que nos identificamos, através dessa identificação temos a tendência de escolher pessoas, objetos e principalmente profissões das quais nos sentimos confiantes, temos algum tipo de afeição para exercer.

Com o aumento da população negra nas universidades, acabamos tendo mais contato com pessoas que desempenham papeis em que anos atrás não exercia.

A identidade então é construída através do olhar de um grupo étnico/racial ou das pessoas que fazem parte do mesmo, a relação com o outro, ocasionando a identidade sobre si mesmo. Ao pensarmos em um médico qual a primeira imagem que você pensa? Um homem branco, com cabelos grisalhos, de jaleco e um estetoscópio, não é? 

Isso acontece devido ao fato que fomos expostos a tantas publicidades usando imagens de homem, branco, com cabelos grisalhos que temos a dificuldade em visualizar algo diferente disso. Isso acontece porque a identidade profissional que temos do médico está enlaçada às representações que fomos expostos ao longo dos anos.

A identidade profissional se constrói a partir do representado socialmente da profissão, como acontece no caso dos médicos e tantas outras profissões.

Carreira profissional 

Carreira de sucesso para pessoas negras por muitos anos esteve estritamente ligada ao futebol, onde muitos negros conseguiam se destacar e se mantinham financeiramente. E por muitos anos o sonho de meninos era e ainda é ser jogador de futebol, primeiramente para que possam dar condições melhores para a sua família e é uma profissão que tem reconhecimento social. A afirmação desse reconhecimento acontece por meio de comerciais, entrevistas, entre outros.

Ao se deparar com alguém com características físicas, história parecida o jovem se identifica e vê como uma possibilidade, algo alcançável. A escolha profissional é influenciada pelos meios de comunicação, a família, amigos, as escolas e o contexto socioeconômico em que vive. Ele se inspira e por isso a importância de aparecer nas mídias sociais, nos anúncios, pessoas negras ganharem visibilidade dentro da publicidade. Mesmo com a volatilidade do mercado de trabalho atualmente no mundo das organizações e do trabalho fica complicado 

Mas o que podemos fazer para que os jovens acreditem que possam seguir a carreira que eles quiserem? O incentivo aos estudos de uma população que muitas vezes não tem condições sanitárias básicas em casa.

Ajude no que você puder, esteja disponível para ajudar as pessoas desde tirar dúvidas, criar espaços que possibilite a participação dessas pessoas. Se você tem algo para ensinar, seja aquilo que você tenha aprendido na universidade, na rotina de trabalho, compartilhe para que as outras pessoas possam se espelhar em você e saibam que é possível alcançar qualquer objetivo.

 

Referências Bibliográficas:

“Representatividade”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/representatividade

SAMPAIO, J. D. F. Recortes de percepções femininas sobre objetos icônicos de feminilidade. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, Porto Alegre , p. 71, 2017.

MARQUES, E. P. D. S. O acesso à educação superior e o fortalecimento da identidade negra. Revista Brasileira de Educação , Rio de Janeiro , v. 23, n. e230098, p. 1-23, dez. 2018.

Gomes, N. L. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo: USP, v. 29, n. 1, p. 167-182, jan./jun. 2003. 

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar