Ansiedade

Ansiedade e síndrome do pensamento acelerado

De acordo com o DSM-5 (manual de diagnóstico e estatística dos transtornos mentais) os transtornos de ansiedade incluem aqueles que compartilham características de medo e ansiedade excessivos e perturbações comportamentais relacionadas.

Sendo assim, o nível de ansiedade é elevado e prejudica a qualidade de vida do indivíduo, afetando o seu desempenho familiar, social e profissional ou todos ao mesmo tempo.

Tenho transtorno de ansiedade?

Todos nós temos nossos medos e inseguranças, por esse motivo é muito comum apresentarmos momentos de ansiedade, pois ela é uma reação natural do organismo. É ela quem faz com que nosso corpo se prepare para enfrentar um desafio ou uma situação de perigo, deixando nosso corpo e mente em estado de alerta.

Algumas situações como um emprego novo, viagens, apresentações em público ou esperar o resultado de uma prova podem despertar a ansiedade na grande maioria das pessoas. Porém, quando ela passa a acontecer com frequência e intensidade maior, pode indicar um possível transtorno.

Sintomas de ansiedade

Os principais sintomas que podem estar relacionados ao transtorno de ansiedade e que merecem nossa atenção, são: 

  • Achar que tudo a sua volta apresenta perigo: Deixa de fazer as coisas simples do dia-a-dia acreditando que tudo vai lhe expor ao perigo, uma ida ao mercado já o espanta, criando diversas fantasias catastróficas na cabeça.
  • Problemas digestivos: É um sistema muito afetado pela ansiedade. Sentir mal-estar, azia, dores na região do abdome, diarreia. Podendo ter como consequência dessas alterações úlceras, gastrites, doenças inflamatórias, síndrome do intestino irritável.
  • Perfeccionismo: Achar que nada está perfeito, não admitir erros ou resultados a baixo do seu padrão ideal. Pessoas perfeccionistas acabam se sabotando, estabelecendo metas impossíveis de se atingir e sofrendo por não conseguir o objetivo estabelecido.
  • Alterações do sono: Sonolência excessiva ou a falta dele. Sentem dificuldade em dormir na véspera de uma reunião importante ou não consegue se desligar do que ocorreu durante o dia, passando a noite pensando no que fazer no dia seguinte.
  • Preocupações em excesso: Não sabe administrar as preocupações, está sempre pensando o que vai fazer, o que pode acontecer, sempre prevendo o futuro.
  • Tensão muscular: Limitações dos movimentos, fraqueza muscular, inchaço. Muito comum sentir dores nas costas, ombros e pescoço.
  • Falta de apetite ou apetite em excesso: Não se alimentar de forma adequada. São muitos os casos de pessoas que colocam a comida como solução de seus problemas. Ao menor estresse, já pega um pote de brigadeiro.
  • Medos irracionais: Situação que a pessoa não consegue avaliar de forma realista, embora perceba que o medo é exagerado, não consegue evitar a ansiedade.
  • Sintomas físicos: Sudorese, falta de ar, boca seca, formigamento, náuseas, sensação de engasgo, ondas de calor.
  • Inquietação constante: Fica em constante movimento, anda de um lado para o outro, balançando as pernas ou braços. Não conseguir se concentrar.

As causas da ansiedade

O acometimento do transtorno de ansiedade pode ter origem bem variada de pessoa para pessoa. Exemplo: ela pode aparecer por desequilíbrios químicos do cérebro, pelo mal suporte familiar ou por traumas vivenciados na infância em especial, ou por vários fatores.

A sua rotina, os lugares que frequenta, as pessoas que você convive, as experiências vivenciadas, tudo isso influencia para o surgimento ou a prevenção da ansiedade.

Diagnóstico

É realizado por um profissional da área da saúde mental (psicólogo ou psiquiatra). Leva um tempo para entender qual a intensidade do problema e qual o tipo de transtorno. Durante a consulta, o profissional analisará como os sintomas impactam na vido do sujeito.

Síndrome do pensamento acelerado

A falta de paciência está afetando muitas pessoas nos dias de hoje. Somos uma geração ansiosa. Esperar! Esperar! Esperar! Esperar! Esperar! Palavra que não estamos sabendo lidar. Seja a espera de alguém ou alguma coisa. Espera está sendo a morte para muitas pessoas ansiosas. A grande verdade é que ou a gente aprende a lidar melhor com a ansiedade ou ela vai acabar com nossa qualidade de vida.

É urgente nos desaceleramos e aprendermos a gerir nossas mentes.

Cuidado

Aprender coisas novas é muito bom, porém temos que tomar cuidado com esse excesso de informações, pois podemos acabar nos viciando.

A quantidade de informações que temos disponíveis parece uma vitrine repleta de doces de sabores diferentes, competindo para chamar nossa atenção e ser o escolhido, mas não significa que causar atração seja sinônimo de nos fazer bem: “O excesso de informações de conteúdo emocional muito impactante gera estresse e a pessoa tem uma reação em cadeia em resposta a isso.

O nível de cortisol é elevado e o corpo responde. Pode ter uma descarga de adrenalina relacionada a isso, explica Mota. É o caso, quando ficamos horas e horas nos deparando com notícias trágicas. É importante salientar que não há um limite de informações, que nossa mente pode filtrar, na verdade o cérebro quanto mais aprende mais ele vai saber aprender, como se fosse um exercício, o que não faz bem é tentar jogar toneladas de informações desnecessárias.

“Desejo que você seja um grande sonhador e que, entre seus sonhos, sonhe em ter um caso de amor com sua qualidade de vida. Caso contrário, terá uma dívida enorme com sua saúde emocional e com uma mente livre. Saiba que os melhores seres humanos já traíram: Traíram seus finais de semana, seu sono, seu descanso. Traíram o tempo com as pessoas que amam. Desacelere!” Ausgusto Cury

Aprendendo a gerir nossa mente

Ferramentas para ter controle (Ausgusto Cury):

  • Capacitar o EU para ser autor da sua própria história – nossa capacidade consciente de decidir, ser livre para pensar e não escravo dos pensamentos. Exercer domínio sobre os pensamentos que produzem transtornos.
  • Saber gerenciar o sofrimento antecipatório. Viver o momento atual é crucial para uma vida mais feliz.
  • Fazer higiene mental através da técnica DCD (duvidar, criticar e decidir).
  • Reciclar crenças antigas, ou seja, identificar o que não se acredita mais e imediatamente se desfazer disso.
  • Saber filtrar as informações, não ser uma máquina de reter informações, selecionar o que realmente vai te agregar.
  • Não trabalhar excessivamente.
  • Dar importância a sua qualidade de vida. Cuidar mais de si, manter uma dieta balanceada, praticar exercício físico, ter uma rotina de sono.
  • Estabelecer metas claras: saber onde quer chegar, para não fazer qualquer lugar seu porto.

Não desista de lutar, não tenha vergonha ou medo de pedir ajuda. Lembre-se: sua saúde mental é tão importante quanto sua saúde física.

Referências:

  1. Augusto CURY – ANSIEDADE COMO ENFRENTAR O MAL DO SÉCULO
  2. Ausgusto Cury – ANSIEDADE 2 AUTOCONTROLE
  3. Manual de diagnóstico e estatística dos transtorno mentais 5 ª edição (2013)
Lais Carolina de Souza
Últimos posts por Lais Carolina de Souza (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar