Psicologia geral

Transtorno do estresse traumático ou pós traumático e tratamento

O Transtorno do Estresse Pós Traumático 

Quando presenciamos ou passamos por alguma experiência traumática de violência agressão física, assalto, acidentes, catástrofes naturais, abusos sexuais, ameaça à vida ou qualquer ato violento maior que o nosso psiquismo  pode suportar, temos como consequência um transtorno chamado de transtorno do estresse pós traumático (TEPT).

O transtorno pode se manifestar de diferentes maneiras:

  • Ansiedade generalizara,
  • Sintomas físicos,
  • Emocionais, como medo que a situação se repita, terror noturno, entre outros.

A experiência negativa pode inclusive provocar a queda da imunidade e consequentemente nos levar a desenvolvermos patologias. Feridas não curadas no nosso emocional são portas abertas para futuras patologias. Esse seria tema para outro artigo: as doenças psicossomáticas. 

Existe tratamento para livrar-se das perturbações?

A terapia de dessensibilização e reprocessamento através dos movimentos oculares (EMDR) é uma abordagem de psicoterapia integrativa que tem sido amplamente pesquisada e comprovada como eficaz para o tratamento de traumas psicológicos e outras comorbidades.

Uma abordagem moderna

Essa abordagem originalmente desenvolvida nos EUA pela Dra Francine Shapiro, na década de 1980, para tratamento de TEPT, hoje é reconhecida em todo o mundo; cientificamente embasada, é aplicada em uma gama de problemas psicológicos.

Ligada à Neurociência e à Terapia comportamental cognitivista, foi trazida para os profissionais brasileiros inicialmente pela instrutora autorizada Dra Esly de Carvalho – PhD, diretora da Trauma Clinic, localizada no Distrito Federal.

Somente médicos e psicólogos podem ser treinados por instrutores capacitados e autorizados pela EMDRIA (U.S.A.) e EMDR-Iberoamérica. No Brasil a população poderá visitar o site da Associação Brasileira de EMDR (www.emdr.org.br) para saber mais sobre essa abordagem, bem como ter acesso aos profissionais habilitados em todas as regiões do Brasil e ter acesso a links importantes.

A abordagem faz parte dos tratamentos psicológicos mais modernos nos Estados Unidos e Europa em relação à memória explícita e, paralelamente em alta, a Terapia Somática com foco inclusive na memória implícita. Na memória implícita estão guardados os acontecimentos anteriores aos 3 ou 4 anos de idade.

Deste modo, o EMDR é aplicável em todas as idades; inclusive, foram desenvolvidos protocolos gestacionais para tratar de eventuais ocorrências traumáticas vivenciadas durante a gravidez.

A pesquisa científica estabeleceu o EMDR como eficaz para o tratamento do transtorno do estresse traumático e pós-traumático (TEPT). No entanto, os clínicos também relataram sucesso usando o EMDR no tratamento das seguintes condições:

  • Ataques de pânico,
  • Distúrbios dissociativos,
  • Memórias perturbadoras,
  • Fobias,
  • Distúrbios da dor,
  • Ansiedade de desempenho,
  • Redução de estresse,
  • Adicções,
  • Abuso sexual e/ou físico,
  • Distúrbios dismórficos corporais e,
  • Distúrbios da personalidade.

Como o EMDR funciona?

Não se sabe exatamente como qualquer forma de psicoterapia funciona neurobiologicamente ou no cérebro. No entanto, sabemos que, quando uma pessoa está muito chateada, seu cérebro não pode processar informações como normalmente faz em outros condições.

O momento doloroso torna-se “congelado no tempo”, e lembrar de um trauma pode parecer tão ruim como passar por ele a primeira vez, isso porque as imagens, os sons, os cheiros e os sentimentos não mudaram. Tais lembranças têm um efeito negativo duradouro que interfere na forma como uma pessoa vê o mundo e a maneira como eles se relacionam com outras pessoas.

O EMDR parece ter um efeito direto sobre o modo como o cérebro processa a informação. O processamento normal da informação é retomado, então, após uma sessão EMDR bem-sucedid. Uma pessoa já não revive as imagens, sons e sentimentos quando o evento é trazido à mente. Ela ainda lembra o que aconteceu, mas é menos perturbador.

Muitos tipos de terapia têm objetivos parecidos. No entanto, o EMDR parece ser semelhante ao que ocorre naturalmente durante o sono REM (movimento rápido dos olhos).

Portanto, EMDR pode ser pensado como uma terapia fisiologicamente baseada, que ajuda uma pessoa a ver o material perturbador de uma maneira nova e menos angustiante.

Fases do tratamento com a terapia EMDR

Na primeira fase do tratamento com EMDR, o terapeuta toma a história completa do cliente e desenvolve um plano de tratamento. Resgatando recursos de contenção do seu cliente e, utilizando um conjunto de protocolos padronizados e testados, convida-o a manter a atenção dual: um “pé” no passado e outro no presente.

O Processamento Adaptativo da Informação por meio dos estímulos bilaterais ativa o sistema nervoso parassimpático, auxiliando a dessensibilização e integração dos eventos traumáticos de forma regulada.

Até hoje, a terapia EMDR tem ajudado milhões de pessoas de todas as idades a aliviar muitos tipos de estresse psicológico.

O EMDR realmente funciona?

Mais de 200 estudos científicos controlados investigaram os efeitos do EMDR. Estes estudos têm consistentemente descoberto que o EMDR efetivamente diminui e elimina os sintomas do estresse pós-traumático para a maioria dos clientes.

Os pacientes geralmente relatam melhora em outros sintomas associados, como por exemplo a ansiedade. As diretrizes atuais de tratamento da Associação Americana de Psiquiatria e da Sociedade Internacional para Estudos de Estresse Traumático apontam o EMDR como um tratamento efetivo para o estresse pós-traumático.

O EMDR também foi considerado eficaz pelo Departamento de Assuntos de Veteranos e Departamento de Defesa dos EUA, pelo Departamento de Saúde do Reino Unido, pelo Conselho Nacional de Saúde Mental de Israel e por muitas outras agências internacionais de saúde e governamentais. A pesquisa também mostrou que o EMDR pode ser um tratamento eficiente e rápido.

Você busca psicoterapia? Pergunte-se: “O que espero conseguir com a terapia?”

Antes de se propor a ajudar alguém, pergunto-lhe se está disposto a desistir das coisas que o fizeram adoecer. – Hipócrates

     

O papel do Psicoterapeuta

Eu, psicóloga,  não posso pensar em ser instrumento de ajuda  para alguém, enquanto pensar que posso ultrapassar a “linha do espaço sagrado do outro”. O cliente é o dono do saber; e diante dessa premissa: deve estar disposto(a) a abandonar o que lhe causa dor e sofrimento.

Isso é pessoal e intransferível. Nenhuma terapia é superior à vontade humana. Eu terapeuta, devo saber esse limite e respeitá-lo. Cada ser tem o seu tempo de preparo para a mudança, seu momento para reconhecer que precisa de ajuda e também para buscá-la. Cada ser sabe de si melhor do que qualquer pessoa, ele(a) é o protagonista da sua história” e eu, psicóloga, sou a facilitadora para tomada de consciência do percurso desejado. 

Metaforicamente, caminhamos de mãos dadas por uma floresta escura em busca de uma clareira. Eu tenho o mapa, e meu/minha cliente segura a lanterna que nos levará ao destino. Não podemos fazer o que o outro não está pronto para receber. Estar a serviço do outro é primeiramente saber como pisar no chão da “casa” do outro.

Toda casa é sagrada e deve ser cuidada com amor e carinho.

Atendimento on-line

Hoje, com a necessidade de ampliar os atendimentos, o método on-line se destaca ao utilizar criativamente da tecnologia, mantendo a sua eficácia. É importante lembrar que você cliente precisa de alguns cuidados que contribuem para uma sessão de qualidade: 

  1. Procure um lugar calmo, silencioso e privativo onde não será interrompido;
  2. Mantenha uma distância confortável da câmera;
  3. Utilize fones de ouvido com microfone;
  4. Tenha água para hidratar-se e até para tranquilizar-se, se necessário.

Cuidar da saúde mental, ganhar qualidade de vida emocional e autoconhecimento, faz toda a diferença em nossa vida. O processo terapêutico vai ajudá-lo(a) a utilizar todos os seus recursos internos.

 

Psicóloga Nadir S. Ramos CRP 06/75456

Acesse: https://blog.psicologiaviva.com.br/psicologos/nadirramos/

Referências Bibliográficas:

SHAPIRO, Francine.,EMDR Terapia de Dessensibilização e Reprocessamento por Meio dos Movimentos Oculares, São Paulo: Ed. Amanuense 3ª Ed., 2020

CERCHIARI, Ednéia Albino Nunes. Psicossomática um estudo histórico e epistemológico. Psicol. cienc. prof. [online]. 2000, vol.20, n.4 [citado  2020-07-21], pp.64-79. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932000000400008&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1414-9893.  https://doi.org/10.1590/S1414-98932000000400008.

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/transtorno-do-estresse-pos-traumatico. Acesso em 16/07/20 

https://emdria.site-ym.com/page/EMDRResearch? Acesso em 02.07.2020

 www.emdr.org.br  Acesso em 02.07.2020

NADIR DA SILVA RAMOS
Últimos posts por NADIR DA SILVA RAMOS (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar