Como a psicopedagogia pode ajudar na identificação de transtornos psíquicos?

Como a psicopedagogia pode ajudar na identificação de transtornos psíquicos?

O que é psicopedagogia?

A psicopedagogia é uma área de atuação clínica e institucional que busca investigar e intervir nas dificuldades do processo de aprendizagem. Todos podem se beneficiar da psicopedagogia, pois o seu público é amplo, abrangendo todas as faixas etárias: crianças, adolescentes, adultos e idosos. 

O(a) psicopedagogo(a) possui uma área de atuação ampla, pois pode trabalhar em várias instituições, além da clínica. O profissional da psicopedagogia pode atuar em:

  • Escolas,
  • Universidades,
  • Empresas,
  • Hospitais.

Nestes espaços, o psicopedagogo pode desenvolver trabalhos direcionados às capacitações de funcionários, planejamentos com foco na aprendizagem, dentre outras funções.

Diante da complexidade do processo de aprendizagem, a psicopedagogia utiliza conhecimentos de áreas diversas, tais como: pedagogia, psicologia, psicanálise, sociologia. Deste modo, não existe causa única para as dificuldades em aprender.

Dificuldades de aprendizagem e transtorno de aprendizagem

Entre as causas de dificuldade de aprendizagem, pode-se encontrar:

  • Desmotivação,
  • Conflitos familiares,
  • Falta de estímulos e de apoio escolar.

Além das dificuldades, existem os transtornos de aprendizagem, tais como: TDAH, dislexia, disgrafia, além dos transtornos psíquicos.

A dificuldade de aprendizagem pode ser secundária, ou seja, consequência de um transtorno psíquico, não identificado pelo cliente ou família do mesmo. Ou ainda, o transtorno psíquico pode ser decorrente da dificuldade de aprender.

Entender que, para além do que surge como sintoma, existe um sujeito que se relaciona consigo mesmo, com outros e com o mundo e valorizar esse sujeito como um todo é dever do(a) psicopedagogo(a). 

O que são transtornos psíquicos ou transtornos mentais?

O transtorno mental é considerado um tipo de doença que prejudica o pensamento, as percepções, as emoções, os sentimentos e o modo como nos relacionamos consigo, com o outro e com o mundo.

Diversos fatores podem influenciar o seu desenvolvimento, tais como:

  • Genética,
  • Ambiente,
  • Conflitos familiares,
  • Traumas do passado,
  • Abuso de substâncias como o álcool e outras drogas,
  • Doenças já existentes,
  • Etc.

Depressão, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo, transtorno afetivo bipolar são exemplos de transtorno psíquicos. 

Na minha prática clínica é comum transtornos psíquicos como ansiedade e depressão serem associados pelos clientes a prejuízos significativos em sua rotina, como estudar e trabalhar, uma vez que relatam indisposição, tristeza profunda, pensamentos acelerados, medos irracionais. 

Costuma-se utilizar um padrão de normalidade para identificar os possíveis sintomas de um transtorno mental, ou seja, existe um padrão que deve se adaptar à convivência em sociedade. Quando se observa uma pessoa que foge deste padrão, podem surgir hipóteses diagnósticas de transtorno mental.

Na prática, isso representa que quando a pessoa possui dificuldades em se relacionar com o outro, em se adaptar a situações rotineiras, prejudicando dessa forma o seu desenvolvimento, pode ser considerado o diagnóstico de transtorno mental. 

Importante considerar que tais padrões de normalidade variam entre os profissionais da saúde, principalmente, entre psicólogos e psiquiatras. Estes profissionais seguem abordagens que podem ser diferentes em termos de entendimento sobre o conceito de transtorno psíquico.

Esta variação sobre o assunto reforça a complexidade do mesmo, ou seja, o adoecimento psíquico pode se apresentar de formas distintas. A diversidade de entendimento sobre transtorno mental ajuda a ampliar o conhecimento sobre o assunto, não havendo, deste modo, conceito certo ou errado, cada um tem sua relevância. 

Investigação psicopedagógica

A investigação psicopedagógica possibilita um olhar direcionado ao sujeito como um todo e não apenas à dificuldade de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem, trazidas como demanda principal. 

No início da investigação, o primeiro contato é com os pais ou responsáveis pela criança, nos casos em que o atendimento é para menores de 18 anos de idade. Neste primeiro momento, o profissional buscará informações sobre a demanda da criança, a partir da percepção dos pais.

Após a coleta dos dados iniciais, deve-se firmar o contrato de trabalho com os responsáveis: tempo de cada sessão, quantidade de sessões, valor de cada sessão, forma de pagamento, relatório final sobre o que foi identificado durante o processo, além da proposta de intervenção. 

A coleta de dados pode ser baseada numa ficha de anamnese, onde contém questões pertinentes à história de vida do aluno. Outro ponto importante no processo de investigação psicopedagógica, no caso de crianças, é a visita à escola, que possibilita conhecer o funcionamento pedagógico, as percepções dos professores em relação ao aluno, ampliando desta forma a coleta de dados.

Além da entrevista inicial com os pais e com o próprio aluno, o psicopedagogo utiliza outras ferramentas para a coleta de dados, que são os testes com o aluno. Todas as ferramentas citadas permitem que o profissional consiga identificar o que pode estar relacionado à dificuldade de aprendizagem e se é somente uma dificuldade ou algum transtorno mental ou até mesmo uma dificuldade psicomotora que bloqueia algumas ações do aluno no ato de aprender.

Intervenção psicopedagógica

Após a coleta dos dados clínicos e com base nas observações, o profissional planejará o roteiro de intervenção, que deve possuir o objetivo de auxiliar o aluno a melhorar sua capacidade de aprender e desenvolver habilidades.

Nos casos em que for observado uma relação da dificuldade de aprender relacionado a algum transtorno mental, o psicopedagogo deve realizar o devido encaminhamento para o psicólogo e/ou psiquiatra, além de outros profissionais, a depender do resultado do primeiro momento da investigação psicopedagógica.

Além disso, é importante considerar que o profissional da psicopedagogia não trabalha sozinho, ou seja, para obter um resultado satisfatório, às vezes, necessita de um trabalho multidisciplinar e interdisciplinar. Isso ocorre quando é identificado a necessidade de outro profissional, que pode ser um fonoaudiólogo, psicólogo, psicomotricista, nutricionista, educador físico, dentre outros. 

No projeto de intervenção, o profissional deve incluir a escola e a família, quando perceber que ambos estejam relacionados a dificuldade de aprendizagem do aluno. Neste caso, o psicopedagogo pode orientar os profissionais da escola quanto a estratégias de ensino e aprendizagem, para que o aluno consiga assimilar melhor as aulas.

Em relação aos pais, da mesma forma, o psicopedagogo pode orientar e sugerir melhores formas de acompanhar o processo de aprendizagem do filho.

Referências Bibliográficas

  1. SAMPAIO, S., Manual Prático de Diagnóstico Psicopedagógico clínico. 7° edição. Rio de Janeiro. WAK. 2018.
  2. HADDAD, O. E. M., Psicopedagogia. 1° edição. Curitiba. Contetus. 2020.
  3. AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. 4° edição. Rio de Janeiro. FIOCRUZ. 2017.
Francisca Jéssica Araújo de Aguiar
Últimos posts por Francisca Jéssica Araújo de Aguiar (exibir todos)
Deixe seu comentário aqui
Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar