Desenvolvimento pessoal

Autossabotagem: por que eu não consigo melhorar de vida?

Em alguns momentos da vida, é comum que a gente pare para analisar por que não estamos alcançando nossos objetivos. Essa pausa reflexiva pode revelar que talvez você mesmo(a) esteja atrapalhando a realização dos seus sonhos. De uma forma geral, a autossabotagem é esse mecanismo psicológico que faz com que não desenvolvamos todo o nosso potencial. Confira abaixo 13 sinais de que você está se sabotando:

#1 – Excesso de crítica

Nada nem ninguém é bom o suficiente. Nesse mundo em que parece que está tudo errado, por que você daria certo? Por que você arriscaria fazer algo novo que te dá medo? O excesso de crítica pode desviar sua atenção do seu verdadeiro foco e ainda faz você perder possíveis aliados. A crítica impiedosa de si mesmo destrói a sua confiança e a vontade de se dedicar na realização do seu sonho. Tome cuidado. 

#2 – Falta de iniciativa

Você percebe uma boa oportunidade, mas se esquiva. Você começa a argumentar para si mesmo que não está pronto(a), que esse não é o momento ideal, etc. O resultado disso é que você não faz o que você poderia ter feito para aproximar-se de seu sonho. Agarre as oportunidades com unhas e dentes. Não deixe passar a oportunidade de aprender algo e de se atualizar.

#3 – Você se envolve com problemas que não são seus

Ao se envolver com as responsabilidades dos outros, você acaba ocupando o pouco tempo que tinha para dar passos rumo à realização dos seus próprios objetivos. Fique alerta para isso.

#4 – Você não começa as suas tarefas

Não começar com algo pequeno é um sinal de que você poderá ficar muito tempo procrastinando até iniciar o que precisa realmente ser feito. Lembre-se que é importante dar aquele primeiro “micropasso” para você não se sabotar.

Metas gigantes são pouco praticáveis. A procrastinação é um sinal clássico de autossabotagem. O ato de procrastinar pode parecer apenas preguiça, mas é mais do que isso. Normalmente, há alguma questão por trás da procrastinação: medo de falhar, de errar, entre outros. Os motivos por trás da procrastinação podem ser diversos. Porém, é importante investigar por que você está agindo dessa forma.

#5 – Busca excessiva de reconhecimento dos outros

A pessoa que busca muitos elogios costuma ficar dependente desse retorno externo para conseguir sentir-se merecedora de suas conquistas. Afinal de contas, a pessoa tem dúvidas e incertezas sobre o seu verdadeiro merecimento quando conquista algo.

Essa dependência do outro e a dúvida constante quanto ao seu próprio merecimento podem gerar um grande desgaste, além de alimentarem o ciclo de autossabotagem, na medida em que a pessoa não sente confiança para agir conforme suas reais capacidades, pois não as reconhece por si mesma.

 

#6 – Excesso de comparação e senso de inferioridade

Por não reconhecer suas próprias conquistas e capacidades, a pessoa acaba avaliando-se através da comparação com os outros.

No entanto, a comparação costuma ser feita com pessoas que possuem mais do que a pessoa enxerga em si mesma. Então, a conclusão dessas comparações gera um senso de inferioridade, pois os parâmetros de comparação são muito elevados ou idealizados. Além disso, a comparação costuma ser descontextualizada e parcial.

O sabotador vê apenas o sucesso do outro sem considerar a história de vida daquela pessoa, ou seja, desconsiderando as dificuldades vividas e as diferenças de contexto (financeira, família, estudo, saúde, etc).

#7 – Sensação de que sempre falta algo

Os sabotadores costumam acreditar que sempre está faltando algo importante para eles(as) conseguirem atingir seu objetivo. Falta dinheiro para começar, falta apoio para continuar um projeto… O foco está naquilo que falta.

O potencial daquilo que já existe e que está disponível é menosprezado. A pessoa fica confusa, sem energia e sem coragem para agir, pois o foco de sua atenção é negativo e hiperdimensiona a importância do que está faltando.

#8 – Medo de errar

O(a) sabotador(a) costuma superdimensionar o impacto de possíveis erros na execução de seu objetivo principal. Uma certa aversão ao erro gera uma incompreensão da importância do mesmo.

O erro tem uma função importante na nossa aprendizagem, pois nos faz pensar em outras formas de atingirmos nosso objetivo. O erro faz parte do caminho de todas as pessoas. Aceitar os erros como parte da jornada diminui a cobrança e a sensação de culpa experimentadas antecipadamente por quem se sabota. Errar pequeno tem consequências manejáveis.

Assim, ganhamos confiança para amenizar os prejuízos e nos recuperar dos contratempos.

#9 – Medo do fracasso ou medo do sucesso

Você tem receio de assinar algo que você produziu, projeto, texto, etc.? Se as pessoas souberem que você é bom no que faz, o que poderia mudar?

Você conseguiria uma promoção? Novos desafios? Você se sente desconfortável quando tem o seu mérito reconhecido? Tanto o medo do fracasso quanto o medo do sucesso sinalizam que você tem receio de lidar com as consequências de suas vontades. Você fica apegado ao que poderia perder fazendo uma mudança e acaba tendo dificuldade de perceber que você também pode estar errando ao não fazer o que você deveria estar fazendo. 

#10 – Você não se prepara para situações que necessitam de uma organização prévia

Você sabe que precisa preparar um roteiro para a sua apresentação ou que precisa estudar para uma prova, mas você não se prepara o suficiente e procura responsabilizar outras pessoas por você não ter tido condições de se preparar.

Esse é um comportamento típico de quem se sabota, pois a preparação adequada é uma etapa fundamental para que possamos realizar os nossos sonhos.

#11 – Preocupação excessiva com fatores que não podem ser controlados

Você também pode estar se sabotando quando atribui importância demasiada aos fatores externos que podem influenciar na realização do seu desejo.

Você gera sua própria desmotivação ao ficar se lembrando constantemente que existem fatores que estão fora do seu controle. Se você quer trabalhar atendendo pessoas ou em algum outro contexto mais imprevisível ou caótico, você precisa desenvolver uma certa tolerância às incertezas na medida em que você vai se superando a cada dia. 

#12 – Excesso de planejamento

Você costuma fazer uma longa e exigente lista de pré-requisitos que devem ser atendidos antes de você iniciar uma atividade?

Por exemplo, você precisa preparar uma palestra, mas vai ficar preocupado com a quantidade de ouvintes, a roupa que você vai usar ou com a forma de locomoção até o local da palestra. Isso toma a sua energia a ponto de estragar o lado bom de fazer a palestra que você tanto queria? Então, você está sabotando o seu ânimo e a sua disposição de fazer uma boa palestra, pois se apega demais a detalhes menos relevantes.            

#13 – Você quer fazer tudo sozinho(a)

Você sabe pedir ajuda? Quem poderia lhe ajudar hoje? Lembre-se que fazer tudo sozinho é uma forma de se sobrecarregar e de atrasar ou até de tornar impossível a realização de seu desejo. 

Então? Você se identificou com algum sinal da autossabotagem?            

Para quebrar o ciclo da autossabotagem, é importante que você tenha apoio psicológico. Um profissional especializado é capaz de lhe orientar no caminho da realização dos seus sonhos. Dê o primeiro passo rumo à sua melhora.

Gabriela Ballardin Geara
Últimos posts por Gabriela Ballardin Geara (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar