Como tomar decisões difíceis: 5 estratégias para escolher melhor

Como tomar decisões difíceis: 5 estratégias para escolher melhor

É muito difícil para você tomar decisões?

Fica nervoso(a)/ansioso(a) frente a uma decisão difícil?

Pergunta-se repetidamente se está tomando a melhor decisão ou duvida das próprias escolhas?

Para muitas pessoas é um verdadeiro desafio tomar uma decisão. Ficam ansiosas sem mesmo pensar muito a respeito e, às vezes, preferem ignorar essa sensação a ter que tomar uma decisão.

Charles Peirce nos mostra em A Fixação da Crença que “A dúvida é um estado de insatisfação e inquietude, do qual lutamos para nos desvencilhar e passar para um estado de crença, ao passo que este é um estado calmo e satisfatório que não desejamos evitar […]”. A crença nesse sentido é uma possibilidade de ação, é uma forma de pensar que cria a disposição de agir. Através da crença estabelecemos uma confiança maior relacionada ao futuro, dando abertura ao campo das possibilidades.

Tomar uma decisão é sobretudo acalmar esse estado de inquietude. A dúvida é importante porque nos possibilita agir para que ela seja eliminada, é a força que nos permite sair daquele estado e buscar algo melhor. Contudo, quando exacerbado, esse sentimento nos paralisa e impede que tomemos as melhores decisões.

Por isso, hoje vamos falar sobre cinco estratégias para que a tomada de decisão seja um processo mais construtivo e rápido.

#1º – Separe um período do seu dia ou da sua semana para pensar sobre isso

Pode parecer um pouco estranho, mas boas decisões implicam avaliar conscientemente as implicações e possibilidades que ela envolve. Nesse momento, é necessário que você perceba o problema por vários ângulos e identifique suas possibilidades.

Nesse momento você precisa reunir todas as informações que estão disponíveis a você, para que tome a decisão baseada em fatos e não somente em emoções. Por essa razão, é importante separar pelo menos trinta minutos a uma hora para isso.

Cuidado também para não estar usando esse momento para ficar adiando uma decisão, lembre-se que escolher bem nem sempre é escolher devagar.

#2º – Defina uma lista de prós e contras que sua decisão implica

Para tornam uma decisão mais racional é necessário que saibamos tudo o que essa escolha engloba. O que você ganha e o que você perde com essa decisão?

Ter essa visão, pode ajudar você a mensurar melhor o porquê daquela alternativa ser a melhor. Nesse momento é importante fugir de respostas simples de “sim” ou “não”. Esse é um período também para tentar encontrar outras possibilidades e alternativas.

Só tome cuidado em não querer analisar demais e acabar enxergando coisas que não são reais ou transformando detalhes mínimos em fatos gigantescos.

Algumas escolhas podemos antever se será uma boa decisão ou não, baseado na lista de prós e contras. Por exemplo: se a decisão implica em uma mudança de cidade, por que não a conhecer e passar alguns dias para ver como se sente? Claro que nem sempre é possível fazer isso, mas com os avanços tecnológicos temos muitas informações a nosso dispor sobre determinados lugares.

#3º – Ter em mente quem você é e o que você quer alcançar

Saber quem você é, seus valores, suas prioridades, seus desejos e vontades podem ajudar a tomar uma decisão difícil. Isso porque quando se está na frente de uma escolha você consegue reconhecer se a oportunidade vai de encontro com o que você acredita ou naquilo que você mais deseja.

O autoconhecimento permite saber quais são suas capacidades. Cada pessoa possui uma característica particular que a diferencia dos outros. Identificar esse potencial pode ajudar você a desenvolver a autoconfiança necessária para tomar uma decisão que te satisfaça.

#4º – Converse com outras pessoas sobre o assunto

Para transmitir uma informação, iniciar um diálogo ou tirar uma dúvida é necessário organizar o pensamento de forma que a pessoa entenda. Nesse processo algumas situações ficam até mais claras para você, nem sempre é necessário que a pessoa fale muito, o importante é que ela ouça e entenda o que você está dizendo.

Nem sempre ter alguém só para ouvir será o suficiente, principalmente quando se trata de algo novo ou uma experiência que nunca fez antes. Por isso é interessante conversar com alguém que passou por uma experiência parecida ou que tem conhecimento sobre o assunto. Ouvir tais pessoas pode ajudar a tomar uma decisão mais rápida e inteligente.

Só preste atenção para não aceitar recomendações cegamente. Nem sempre uma escolha que faz sentido para uma pessoa será a melhor escolha para você. Por isso é importante avaliar se aquele conselho vale ou não para você.

#5º – Avalie o que você realmente deseja

Normalmente quando se está tendo dificuldades em tomar uma decisão é porque existe algum conflito. Pode ser que racionalmente você pense que algo é mais prático ou melhor, mas seu coração deseja algo diferente. A pergunta a ser feita aqui é “o que você espera que aconteça?” ou “o que você quer conquistar?”

É importante ouvir suas expectativas porque não somos seres completamente racionais e nem sempre só a razão é o melhor caminho. É preciso entrar em um consenso entre razão e emoção e saber o que pesa mais. Existem momentos que a razão precisa prevalecer e outros que a emoção tem um papel fundamental na tomada de decisão.

Mesmo assim, ninguém faz escolhas boas o tempo todo e está tudo bem. Todos erramos, e o erro nos ajuda a crescer, desenvolver e aprender. É preciso perdoar-se por isso. O importante é saber que sempre haverá uma nova possibilidade, oportunidade e um recomeço!

Flávio Silveira de Carvalho
Últimos posts por Flávio Silveira de Carvalho (exibir todos)
Deixe seu comentário aqui
Assine nossa newsletter

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter

Fique por dentro dos melhores conteúdos sobre bem-estar, saúde e qualidade de vida

Saúde mental, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

Através do nosso programa de saúde mental, as empresas reduzem perdas com afastamento do trabalho por demandas emocionais.

Fechar
Fechar