ansiedade

Os conflitos familiares como geradores de ansiedade

Os conflitos familiares

A sala virou local de estudos, a cozinha se tornou área de reuniões. A quarentena trouxe à tona questões importantes, que na correria do dia a dia passavam despercebidas ou não dávamos muita importância: os conflitos familiares.

Com as famílias sendo forçadas a se manterem em casa, vários problemas se misturaram e prejudicam ainda mais os relacionamentos entre os familiares.

Vários “mundos” distintos, como a escola, o trabalho, academia, se uniram em apenas um: a casa. Com o convívio prolongado os familiares passam mais tempo juntos e os conflitos podem surgir, causando estresse e aumentando a ansiedade, sobre um futuro incerto, frente ao cenário atual.

A falta de uma boa comunicação pode atrapalhar o relacionamento dos familiares, somando-se ao estresse com problemas do trabalho, ou da escola, muitas vezes só piora uma situação que já se encontra em desgaste.  Evidenciando, assim, um distanciamento emocional entre os membros da família.

Conflitos e a ansiedade

Viver em um ambiente com muitos conflitos pode se tornar algo estressor para a pessoa, e para toda a família. E com o tempo todo esse estresse pode acabar evoluindo para um quadro de ansiedade, onde a pessoa se mantém em alerta frente ao possível conflito, mesmo que ele não ocorra.

Por não saber como lidar de maneira adequada com os conflitos que surgem no núcleo familiar, o indivíduo pode se sentir deslocado, incompreendido e não pertencente à família. Dessa forma tende a se afastar dos demais membros da família, restringindo sua comunicação apenas ao mais básico contato. E sem uma comunicação eficaz, os problemas tendem a piorar e os relacionamentos a se desgastarem ainda mais.

Sintomas da ansiedade

A ansiedade se mostra através de sintomas fisiológicos, ou seja, a partir de reações físicas no corpo, como por exemplo:

  • Falta de ar ou respiração rápida,
  • Insônia,
  • Cansaço,
  • Taquicardia,
  • Boca seca,
  • Náuseas,
  • Tremedeiras ou palpitações,
  • Entre outros.

Ou também através de comportamentos, como:

  • Inquietação,
  • Irritabilidade,
  • Preocupação excessiva com o futuro,
  • Hipervigilância,
  • Medo,
  • Falta de concentração,
  • Pensamento acelerado,
  • Etc.

Caso as crises de ansiedade não sejam tratadas, podem evoluir para um transtorno de ansiedade, que com o tempo afetará o paciente em outros aspectos de sua vida. Uma pessoa ansiosa sente dificuldade para esperar, tenta realizar várias coisas ao mesmo tempo e, normalmente, não as realiza ou deixa algumas incompletas, pode experimentar crises súbitas de medo, entre outros sintomas e comportamentos. 

Vale ressaltar que apenas um ou outro sintoma não caracterizam uma crise ou transtorno de ansiedade, é necessário apresentar uma certa quantidade de sintomas durante um determinado tempo, para que se possa diagnosticar um transtorno. O psicólogo é o profissional recomendado para realizar essa avaliação, bem como seu tratamento.

Como lidar com o conflito

Estabelecer um canal de comunicação ativo e de boa qualidade é essencial para se manter um bom relacionamento entre a família, onde cada membro possa falar e dar sua opinião sobre fatos e acontecimentos da vida grupal, e ser ouvido com atenção e respeito.

Uma boa comunicação pode ser usada para se conhecer melhor as pessoas com que vivemos, mesmo residindo embaixo do mesmo teto, existem particularidades que só serão observadas e conhecidas quando se dedica uma atenção à pessoa, quando há o compartilhamento de sonhos, desejos, gostos, vontades. Assim, fortalecendo a confiança e amizade entre pais e filhos, entre irmãos, avós e netos, ou qual seja a configuração de família existente.

Algumas atividades em família podem aproximar seus membros e proporcionar que as pessoas envolvidas se conectem. Segue abaixo uma pequena lista do que se pode fazer juntos:

  • Jogos, como mímica, forca, Stop (ou adedonha), uno, teatro;
  • Aprender algo juntos, como desenhar, um novo idioma;
  • Culinária, talvez preparem um bolo ou algo mais elaborado, onde cada membro possa realizar uma determinada tarefa;
  • Leitura em grupo, sarau, recital;
  • Exercite-se, faça meditação em grupo, talvez uma competição de dança, show de talentos, organizem uma noite temática. 

Outra dica importante é ter empatia, ou seja, colocar-se no lugar do outro e tentar compreender o que ele sente. Muitas vezes as pessoas precisam de alguém que as ouça, querem ser compreendidas, e se isso vier de alguém mais próximo, como um familiar, com certeza ambos sairão ganhando com a melhora do relacionamento.

Como a terapia pode ajudar

A terapia pode ajudar tanto o indivíduo em si quanto a família como um todo. Podem ser trabalhados os mais diferentes temas durante um processo terapêutico. O psicólogo pode auxiliar no entendimento correto do que o paciente sente, o porquê sente determinados sentimentos e qual a causa desses sentimentos e emoções. Como lidar com sentimentos negativos e de que forma pode trabalhar isso junto a sua família. 

Entender que os conflitos familiares existem e são normais existirem é um passo importante do processo. São pessoas com personalidades e vontades distintas, vivendo juntas, e com isso o conflito devido a algo pode surgir. Porém, é necessário que esse conflito seja solucionado de maneira satisfatória para todos, onde não se guarde magoas ou se utilize de meios violentos para tentar resolvê-lo.

O profissional pode auxiliar no manejo da ansiedade utilizando e ensinando algumas técnicas para conter as reações fisiológicas causadas pela mesma.

Técnicas de relaxamento, respiração, foco, são algumas utilizadas para a diminuição dos sintomas físicos. Com o manejo adequado por parte do psicólogo e a dedicação do paciente em seguir as orientações, poderá haver uma melhora significativa nos sintomas apresentados. E como uma consequência esperada do trabalho terapêutico, o paciente poderá conseguir se relacionar melhor com seus parentes, amigos e afins.

Para você que acabou de ler, caso tenha feito sentido o que está neste texto – sente que seu relacionamento em família está prejudicado? Gostaria de estabelecer uma comunicação ativa com seus familiares? Sente a ansiedade te afetando? A psicoterapia pode te ajudar com essa e outras demandas.

Procure um psicólogo, ele ficara feliz em poder te ajudar!

Obrigado por ler meu texto, espero que de alguma forma tenha te ajudado.

Um abraço e até logo,

 

Wender C. Mansueto Teixeira

Psicólogo – CRP: 06/153941

Referências bibliográficas:

CORVACHO, M. O impacto psicológico da quarentena e como reduzi-lo. Centro hospitalar Universitário do Algarve. Disponível em: <http://www.alumnimedicina.com/site/media/O-impacto-psicolo%CC%81gico-da-quarentena-e-como-reduzi-lo.pdf>. Acessado dia: 23 de jun. de 2020.

VASCONCELOS, C. S. S., et al. O novo corona vírus e os impactos psicólogos da quarentena. Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins, ed. 7, p. 75-80, 2020. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/download/8816/16731>. Acessado em: 23 de jun. de 2020.

Wender Cesar Mansueto Teixeira
Últimos posts por Wender Cesar Mansueto Teixeira (exibir todos)
Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar